Rota RGB 05

Rota RGB 05
Siga a Rota RGB 05

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O DIA QUE SURPRIENDI MEU AMIGO COMENDO SUA ENTEADA

    O que vou relatar aconteceu por um acaso, fui a casa de um amigo para convidar para irmos até o campo de futebol e como tínhamos uma amizade super bacana tinha também a liberdade de ir entrando sua casa, como não encontrei ninguém na sala e escutei um gemido que vinha de uns dos quartos fui seguindo para ver o que estava acontecendo e qual foi minha surpresa quando pare em frente do quarto onde a sua enteada dormia e vi a cena mais louca, pois meu amigo chupando a bucetinha da sua enteada e a mesma de olhos fechado rebolando em sua boca, a garota nos seus 15 anos mais era uma puta na cama e dizia a ele vai me faz de sua vadia quero que você se sinta melhor do que quando esta com minha mãe, e o safado dizia nossa que delicia chupar uma boceta nova como a sua menina e como chupar uma fruta que a gente gosta, me postei em um lugar onde podia ver eles e os mesmo não e fiquei olhando tudo e para minha surpresa a garota nem parecia que tinha a idade que tinha pois fazia de tudo com ele, cavalgou sua pica meteu em toda as posição e meu amigo lhe falava menina assim você acaba comigo pois não sou mais novo em que possa aguentar você e sua mãe, ela lhe dizia mais vai ter que aguentar viu pois de hoje em diante quero toda vez que ficarmos só e também quando minha mãe for para o trabalho vou dormir com você seu safado pois de agora em diante serei sua amante dentro da minha própria casa.
Quando vi que a brincadeira estava para acabar sai sorrateiramente e la de fora chamei pelo o nome dele que veio e com a maior cara de pau me falou legal cara você ter aparecido pois me tirou de uma que depois te conto e me perguntando o que queria, e quando lhe falei que era para irmos até o campo de futebol jogar uma pelada o mesmo me falou estou indo só me espera pegar minhas trai, e no caminho me contou o que tinha acabado de acontecer onde me falou que desde que amigou com a Jessica que percebeu que a sua filha agia de uma maneira estranha com ele, e sempre que ficavam só a mesma vinha com certas conversa que naquele dia não aguentou e perguntou o porque e a mesma lhe falou e que quero fazer com você tudo que minha mãe faz e já vi pois vocês não fecha a porta onde sempre fico olhando vocês dois metendo e me acabo na siririca sozinha em meu quarto, e hoje não aguentei e quando me chamou para lhe ajudar a tirar algumas coisas do seu guarda roupa acabei dando uma encovada nela e com isto acabemos na cama estou um caco amigo pois a guria e mais doida que a mãe na cama estamos desdas 14;00hs na cama sorte que você chegou e me chamou, estou com minha pica toda esfolada pois a guria e apertadinha e seu amigo aqui tem um cacete que não e pequeno e já viu como foi para abrir aquela bocetinha, tanto e que a safadinha ficou la limpando os lençóis sujo de porra e sangue pois foi como se tivesse tirado seu cabaço mais a safada não se entregou e me pedia mais o que como um louco adorei lhe fazia suas vontade.
Ai lhe falei seu bobo quando chamei do portão já tinha saído de sua casa e para não ser surpreendido sai e lhe chamei la de fora mais vi tudo o que aconteceu e tudo que me falou escutei dela falando para você, só toma cuidado de engravidar e cuidado que a mesma e de menor e sabe como e uma mentira dela vale mais que a sua verdade o que me falou e me falou sabe cara que na hora não pensei nisto, cara estou na mão dela pois isto e corrupção de menor, ai lhe falei o porque que quando as guria fica dando em cima me faça de bobo e de medo e saber que mais vale uma mentira delas do que uma verdade nossa cara.
O meu amigo ficou de cabeça quente e depois que voltou para sua casa achou melhor sentar com sua companheira e contar o que aconteceu, e qual foi a sua surpresa quando Jessica lhe falou que sabia que um dia ia acontecer pois via a maneira que sua filha lhe tratava, ai meu amigo lhe perguntou se não ia ficar chateada com os fatos o que Jessica respondeu não agora vai ter que dar conta de duas seu safado, e de agora em diante vamos dormir os três junto pois quando estiver cansada saberei que você esta com ela e não com outra melhor ser corna da filha do que destas vadias que tem por ai assim fica tudo em casa e hoje segundo ele as duas dorme com ele e quando Jessica esta no trabalho ele fica com a guria e passa horas com ela, parece uma loucura mais vocês acha que isto não acontece e só ver filhas e enteadas com muito carinho com o pai ou padrasto pode ver que ai tem.


quinta-feira, 14 de novembro de 2013

COMI MINHA SOGRA RABUDA




Oque vou contar aqui aconteceu a 5 meses. meu nome é LUCIO tenho 20 anos e namoro com uma loira linda peitos fartos, bunda grande me me satisfaz muito na cama.só q desde q comecei namorar com ela a 2 anos atras sempre ficava com mto tesão ao vê sua mãe uma mulher de 36 anos morena muito gostosa peitão, com uma bunda deliciosa e toda impinada e ainda era uma mulher muito safada sempre falando sacanagem.depois de algum tempo comecei durmi na casa da minha namorada ae ficava só de olha na minha sogra q usava shortinhos enfiado na bunda e vestidinhos curtos. ficava me imaginando comendo aquele rabo gostoso.
Um dia meu sogro iria no mercado e chamou eu e minha namorada pra irmos juntos só q falei pra minha namorada q iria ficar durmindo que estava muito cansado.ela retrucou um pouco mais foi com seu pai no mercado. ae fiquei um pouco deitado e desci pra apreciar aquela coroa gostosa que era minha sogra.passei por ela e ela me disse se quiser vê televisão pode ir vê no meu quarto ja que lá tinha tv a cabo, e ela estava na cozinha fiquei deitava em sua cama só sentindo o seu cheiro q estava em seu travesseiro. foi quando ela subiu e separou um roupa falando que iria tomar banho separou um shortinho preto que me deixa louco todo enfiado em seu rabão e uma camisa azul com um decote que deixava ela com seu peito enorme amostra e uma minúscula calcinha branca, então ela foi tomar seu banho só que ela não levou sua roupa terminando o banho ela veio só de toalha pegar sua roupa,quando ela proprositalmente deixou sua toalha escorregar um pouco deixando seu peito amostra e falando ui escorregou.Pegou sua roupa e foi se vistir no banheiro então ela voltou toda gostosa com uma salto algo q deixava ela com mais jeito ainda de puta.então ela ficou me olhando e desceu para a cozinha novamente fiquei pensando se ela estaria me dando mole pra não fazer uma besteia. tomei coragem e desci la tava ela lavando prato com aquela bunda empinada me deu um tesão na hora e encoxei ela sentindo aquela carne toda,foi quando ela disse q isso alex ta maluco. mais não se moveu falei que queria comer aquele rabo e ela disse se ninguém ficar sabendo eu confirmei e ela foi rebolando a bunda e esfregando no meu pau.foi quando falei vem chupar minha sogra putinha ela riu e abrindo meu short caiu de boca encaxando meu pau eu sua boca que tava quentinha ,me chupou por algum tempo e falou vamos ir pra cama subimos e lá pedi um 69 enquanto ela me chupava eu enfiava a lingua em seu cuzinho que piscava de tesão.foi quando ela falou me bota de 4 e come meu cuzinho já q meu marido não é tão chegado e eu adoro até pra amigo dele eu dei...foi entao q botei ela de quatro e comecei enfiado de vagar naquele rabão e aumentando o ritmo e ela gemendo depois de algum tempo pedir pra ela sentar em cima de mim e ela pulava e fazendo meu pau sumir em seu rabo gigante.comia seu rabo e chupava seu peito enorme e ela grita arromba meu cú, me trata igual uma puta que sou. então falei que tava quase gozando pra ela ficar de 4 pra gozar em seu rabo ela ficou e fiquei comendo quando não aguentei já que um bunda carnuda ficava batendo em mim.e gozei um leite quentinho em seu rabo . foi a melhor gozada da minha vida. depois de gozar ela falou deixa eu limpar seu pau e começou chupar limpando até a ultima porra e engolindo.entao nos vestimos já que eles estavam perto de chegar só q antes de sair ela me disse agora vou ser sua putinha e desceu pra espera,até hj levo minha sogra pra motel e quando estou em sua casa e nao tem ninguem perto fico apertando sua bunda e quando da boto ela pra pagar boquete ...

sábado, 9 de novembro de 2013

A Coroa da Farmácia

     Tudo começou quando fui trabalhar em uma farmácia, conheci uma coroa linda, morena, bumbum grande e gostoso, seios fartos, pele negra linda demais. Começamos com conversas simples mais devido ao papel de parede do meu telefone a coisa mudou de figura:uma loira linda de quatro com o cuzinho bem empinado, isso no hora me deixou meio sem graça, mais ela pela experiência de vida, viúva fez a pergunta que não devia: sexo anal é bom? O mundo desabou nos meus pés, enfim disse que as meninas não reclamavam. Nesse momento chegou uma cliente e eu fui para minha sala, sem esperança nenhuma. Mais tarde veio a surpresa, fui tomar um café e ela chegou logo depois quando ficamos sós ela perguntou se eu poderia ir a farmácia terminar a conversa pois ela ficou curiosa, disse que sim e quando chegou as 16:55 eu bati na porta que antes de abrir ouvi a janela de atendimento se fechar logo me pegou pela mão e puxou para dentro da sala.Estava de cabelo solto e com o decote mais ousado trancou a porta por dentro e me deu um beijo na boca que me alucinou mais logo parou de beijar e correu para desligar o ar condicionado a apagar as luzes. Vou chamá-la de morena, morena me falou que havia ficado muito ecxitada com a foto e curiosa com anal, sem me deixar falar nada voltou a me beijar por um longo tempo, eu fiquei bobado e sem ação por algum tempo quando a ficha caiu minha mão já estava nos seus seios e dai acordei para a vida e comecei a mamar seus peitos e acariciar sua buceta por cima da calcinha. Morena abaixou abrindo minha calça e mordendo meu pau por cima da cueca que logo baixou e começou a chupar colocando quase inteiro dentro da boca, lambia meu saco e punhetava vagarosamente, livrei-me da minha roupa e tirei peça por peça que estava no corpinho dela, morena se deitou na mesa e eu comecei a tirar sua calcinha e lamber seu grelinho, uma bucetinha pequena linda cheirosa lisinha parecia virgem, chupei até que ela gozou gostoso,comecei a lamber seu cuzinho esse sim virgem lindo, peguei um tubo de KY e comecei passar no cuzinho e colocar o dedo para relaxar enquanto enfiava a lingua na sua buceta, morena pediu para comer seu cuzinho pois não aguentava mais a tortura coloquei morena de quatro em cima da mesa e encostei a cabeça do pau bem na entradinha ela começou a rebolar para facilitar a entrada que foi um pouco difícil, passou a cabeça e ela pediu que colocasse tudo logo pois já estava gozando novamente. Soquei gostoso por mais de cinco minutos pois o KY retardou o gozo. Morena pediu para parar pois não aguentava mais,seu cuzinho já estava em brasas foi quando ela pediu para chupar meu pau, ela o engolia todo com vontade o que não resisti por muito tempo e acabei gozando dentro de sua garganta, eu queria comer sua buceta mais ela lembrou-me de onde estavamos, saímos dali e fomos cada um para sua casa. Na semana seguinte fui demitido sem saber exatamente o motivo mais tudo bem, morena me mandou uma mensagem avisando que faltava a buceta e marcou o dia que vou contar no próximo,,,,, não é conto, é real.....Até o próximo......  

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Fui Comida por dois Jardineiros



Meu nome é Vera, sou morena clara, olhos castanhos, 1.65m e peso 56 kg bem distribuídos pelo corpo. Seios volumosos de bicos rosados e pontiagudos. Considero-me uma mulher bonita. Os homens me acham gostosa e tesuda, digo porque já ouvi muito isso na rua quando estou sozinha, gracinhas e galanteios, uns até gosto, os chulos finjo que não ouço.


Essa história é “verídica”. Aconteceu recentemente, quando mudamos pra nossa casa nova num bairro elegante de Blumenau. Ainda faltavam algumas coisinhas para fazer na área externa da casa, em especial o jardim. Para executar pequenas obras, meu marido contratou dois homens que fariam tudo. Foram bem recomendados por um amigo do meu marido, que já havia usado os serviços deles: dizia serem pessoas de boa índole e competentes no serviço.
Logo no primeiro dia notei os olhares de cobiça dos dois pra cima de mim. Discreto e disfarçadamente, sempre que tinham uma chance, dirigiam olhares direto para meus seios expostos no exuberante decote, e para o meio de minhas pernas, onde o volume da xana era realçado pelo short apertado, realçando a testa da xaninha. Isso não me incomodava em nada, pelo contrário, me dava era um tesão danado.
Comecei a fantasiar em dar para os dois. Luis era branco, alto (acho que 1,80m) e magro. Carlos era moreno jambo, um pouco mais baixo, devia ter uns 1,70m, pele bronzeada, corpo atlético, um belo tórax peludo que sua regata não podia esconder. Passei a provocá-los, assim que meu marido saia e eu levava minha filha pra escola, chegava em casa, me trocava colocando shortinho bem curto e blusinha sem sutiã e sempre que podia passava perto deles para que me vissem naqueles trajes. Com os portões fechados, só eles tinham o privilégio de me ver. E seu que eu os deixava de pau duro.
À noite trepava com o maridinho imaginando estar dando para os dois, chupando suas picas e sendo devorada pelos dois machos tesudos. Gozava gostoso na pica do meu marido, que nem imaginava de onde saia tanto fogo pra meter. Resolvi que da sexta não passava. Tinha que dar a bucetinha para eles, já que o serviço estava acabando e eu poderia perder a oportunidade de experimentar duas picas diferentes.
Assim que meu marido saiu, levei minha filha pra escola. Cheguei, tranquei o portão, fui para o meu quarto dizendo a eles que ia tomar um banho e que se alguém chegasse, eles deveriam me chamar. Aquilo dito com um sorrisinho na cara era quase um convite feito. Fui direto para o banheiro da minha suíte, deixando a porta aberta de propósito. Retirei toda roupa, me vi nua no espelho, achei lindo o que vi refletido. Acariciei os mamilos, que logo ressaltaram duros. Acaricie meu pentelhos sedosos, o tesão ia subindo. Enchi a banheira, coloquei espuma, entrei, fechei os olhos e relaxei.
Acho que dei uma ligeira apagada. Como fiquei um tempo sem me mexer, a espuma se dissipou deixando meus seios a mostra. Acordei com os dois homens em pé bem na minha frente. Levei um susto. Tentei pegar a toalha para me cobrir, quando o Luis segurou meu braço dizendo:
— Fica quietinha aí e não grita, senão te afogo nessa banheira, sua vadia — sua frieza e rispidez me deixou um pouco apavorada. Temi pela minha segurança.
Eles acariciavam seus paus por cima da roupa, e pelo volume que formava, já estavam duros. Seguraram-me pelos braços, um de cada lado, e me arrastaram pra cama toda molhada. Empurraram-me enquanto retiravam suas roupas. Os dois nus subiram na cama, um de cada lado. Luis apontou seu pau balançando na minha frente. Ele era longo e um pouco fino para seu tamanho, devia ter uns 21cm, por 4cm de largura, muito branco e com veias azuladas. Sem muita alternativa, peguei naquele pau branco que pulsava na minha mão. Ele me mandou chupar. Obedientemente, segui sua ordem e abocanhei sua pica, que tinha um cheiro forte de suor e mijo. Isso não me deixou enojada, pelo contrário, me deu mais tesão ainda.
Enquanto, mamava e lambia o pau da base até a cabeça, o moreno forte se aconchegou ao meu lado, puxando minha mão para pegar e punhetar seu pênis. Senti que esse era bem grosso, pois mal cabia na minha mão. Não contive a curiosidade, parei de mamar no Luis e fui dar uma atenção ao moreno. Nossa!, aquela rola era um pouco menor que a do Luis, uns 19cm, por 6m de largura, e a cabeça era uma chapeleta que parecia um cogumelo. Ah, eu estava no paraíso com aquelas duas picas só pra mim, era o que eu sempre quis.
Passei a mamar alternadamente, ora no pau branco ora no pau marrom cabeçudo. Mamava, punhetava, esfregava na cara, estava louca de tesão.
— Nossa, a madame quer mesmo dar para nós dois. E como eu queria! — disse Carlos.
Luis estava impaciente. Colocou-me de quatro na cama, abriu as polpas da minha bunda e passou a lamber minha xoxota e meu cuzinho juntos. Sua língua ia e vinha de baixo até em cima, deixando o rasto de saliva.
— Agora vou foder essa putinha até ela gozar no pau.
Senti a cabeça do pau encostar na racha e dar uma estocada só. Ele enfiou quase toda sua tora em mim! Soltei um gritinho de puro tesão que foi logo abafado pelo pau grosso e cabeçudo do Carlos. Tive que abri ao máximo minha boca pra poder acomodar a cabeçorra. Agora estava levando estocadas na boca e na xoxota por machos tarados.
Luis logo anunciou que ia gozar. Apertando e dando tapas em minha bunda, eu estava em estado de êxtase. Acabei gozando junto com ele, sentindo os jatos fortes de porra me inundando as entranhas. Carlos trocou de posição e veio me foder, também com a porra do Luis escorrendo pelas coxas. Meteu o cabeçudo na xoxota alagada, deu duas estocas dizendo:
— É só pra lubrificar, quero mesmo é comer esse cuzinho rosado e apertadinho.
Implorei a ele que não fizesse isso, argumentando que só dei meu cu para meu marido, que tinha perdia nas medidas de altura e largura para o dele.
— Você aguenta sim, sua puta. Sei que você gosta de dar essa bunda gostosa. Eu não vou perder a chance de comer uma bunda linda dessa! — disse, sem dar a mínina para meus reclames.
Então isso abriu bem minhas nádegas, deu uma lambida no meu cuzinho, deixando sua saliva nele. Pincelou com a cabeça da pica e o orifício se contraiu, sabendo do perigo que estava correndo.
— Se prepara, Madame, que agora você vai levar um pau morrom no cu, sua puta. Agora sim você vai ter o queria, né, sua piranha? Pensa que eu não percebia que você ia puxar conversa com a gente só para se exibir? Sei que no fundo você queria mesmo era pica. Teu marido deve ser um frouxo, não te fode direito — Luis disse, segurando meus cabelos. Pior que ele tinha toda razão.
Senti a cabeçona do pau do Carlos forçando meu cuzinho. Tentei fugir, mas ele me segurou firme pelos quadris e Luis pelos ombros.
— Não foge, não, Madame. Estou preparado para a invasão.
Carlos deu mais uma cuspida no pau e com uma estocada forte me penetrou. Vi estrelas. A dor era imensa. Gritei, berrei como uma cadela ferida:
— Ai! Pára, pára. Você está me rasgando. Por favor, pára!
Ele parou por um instante. Segurou meus longos cabelos e voltou a me estocar, me fodendo o cu em um vai-e-vem alucinado, enquanto Luis tapava meus gritos com sua rola branquela e apertava meus seios. Aos pouco fui me acostumando com aquele volume no ânus. Passei a rebolar na pica e gemer. Retirei o pau da boca, pedindo pra ele me foder o cu.
— Nossa, essa cadela gosta mesmo de dar o rabo. Para um pouco, Marrom — assim que o Luis o chamava. — Vamos foder nós dois. Vou sentar essa putinha no meu e você volta a comer o cu dela.
Carlos, obediente ao chefe, retirou o pau do meu cu. Luis se deitou na cama com as pernas pra fora dizendo:
— Vem madame senta no meu pau, senta.
Carlos me posicionou em cima da pica longa do Luis e veio por trás. Subi e desci na pica. Carlos me segurou pelos quadris e voltou a meter o cabeçudo no meu cuzinho, que já estava dilatado. Passei a rebolar e gemer como uma puta nos dois paus. Sentia um esfregando no outro dentro de mim. Assim gozei. Gozei até quase desfalecer. Quando os dois gozaram dentro de mim, senti os jatos de porra me inundando o cu e xoxota. Foi demais, gozei de novo.
Corri pro banheiro com esperma escorrendo pelas pernas abaixo. Estava relaxando em baixo do chuveiro, quando eles chegaram. Tomamos banho os três juntos, brincando e rindo muito. Ensaboando-nos como se fôssemos íntimos. Logo os dois estavam me encoxando e seus paus subindo. Punhetei os dois ao mesmo tempo, deixando-os bem duro. Carlos, que era mais forte, me ergueu. Segurei-me com os braços em volta do seu pescoço e o pau dele acertou minha fenda. O cabeçudo entrou. Ele mesmo abriu minha bunda, que agora era um convite ao Luis, que não perdeu tempo. Colocou a cabeça do pau na entradinha do meu cu, dizendo:
— Agora eu que vou saborear esse cuzinho.
E passou a foder meu cu. Me foderam até os dois gozarem de novo. Um em cada buraco. Não sei de onde saia tanta porra daqueles caralhos maravilhosos. Meu marido dá uma e já cai do lado. Aqueles homens não. Acho que era a novidade, a tara de estarem comendo uma mulher casada dentro de seu próprio banheiro. Devia ser mesmo muito inspirador aos dois, pois a mim era. Eu, dando dentro de minha própria casa, para dois machos tarados e pauzudos! Aquilo era demais.
Dei um beijo na boca de cada um deles e mandei irem terminar o serviço. Eu tinha que me vestir pra buscar minha filha na escola.
~ ~ ~
Este conto foi escrito pela leitora Vera Lucia, deuza_devenus@yahoo.com.br.

sábado, 26 de outubro de 2013

Uma Amiga "Antiga"

   Eu não via Adriana fazia um bom tempo e a encontrei numa tarde dessas na Universidade onde dou aulas. Nos Cumprimentamos e ficamos sentados ao redor de uma mesa tipo de bar, Conversa vai, conversa vem, numa das explicações que eu dava gesticulando muito, acabei batendo no copo que estava em cima da mesa, deixando minha amiga ensopada. Prontamente me ofereci para ajudá-la, mesmo que não tivesse a minima idéia de como fazer isso. Ela se dirigiu ao banheiro feminino e fui atrás completamente constrangido com o acontecido, naquele andar existiam três banheiros, o masculino, o feminino e o de deficientes fisicos(que é o maior deles), entramos nesse e sem cerimônia minha amiga foi tirando as roupas completamente molhadas como eu já havia dito.Foi então que fiquei completamente extasiado com o corpo daquela mulher. Ela vestia uma minúscula calcinha, que desenhava, ou dava contornos incriveia áquela bunda maravilhosa. Comentei com ela que não imaginava que ela fosse tão gostosa assim e ela sorrindo disse que por eu ser seu amigo tão "antigo", não precisava mentir assim, confirmei o que havia dito e ainda comentei que com uma amiga assim eu estava realizado, só faltava sexo e começamos a rir.Ela olhou pra mim e perguntou se eu realmente achava aquilo e me mostrando a bunda pediu que eu apertasse pois ela agora malhava muito para ficar assim só que nunca tinha recebido um elogio assim como o meu, e ainda comentou que com um amigo assim ela teria que pedir um favorzinho, agora imaginem o sacrificio que eu teria que fazer, ela pediu que eu a apertasse para sentir a firmeza e aí enlouqueci, apertei e puxei ela para mim e começamos um tremendo amasso, foi então que confessei minha paixão antiga por ela (na realidade a paixão já era por aquela bunda) e aproveitei a situação e comí aquele que era objeto de meus desejos mais intimos, e foi ali naquele mesmo banheiro, foi sensacional e a amizade "fortaleceu", saímos dali para minha casa e a noite foi perfeita.Adoro minhas amiguinhas intimas.

sábado, 19 de outubro de 2013

A Nova Secretária

    Nos primeiros dias de trabalho aquela secretária nem chamou muito a atenção, mas foi só os dias passarem que todos no escritório viram que se tratava de uma mulher extremamente gostosa.
   As roupas mais decotadas, mais coladas ao corpo aos poucos começaram a surgir e não tinha como não se "distrair" observando aquele belo corpo.
   O tratamento com todos sempre foi bastante distante, sempre com educação, mas um certo distanciamento. A moça do café, que tinha tido um caso rápido comigo e que havia se tornado uma confidente, me revelou que achava estranho o comportamento da moça, principalmente quando tinha reunião da diretoria.
   Começei à observar os passos dela e fui vendo que realmente até o rosto mudava. Um dia, cheguei mais cedo e chamei ela no meu escritório e naquele dia ela estava divinamente maravilhosa, com uma minissaia colada no corpo e uma blusa bastante decotada e ao sentar cruzou as pernas e aquele par de coxas me deixaram louco e ao anotar as palavras que eu dizia se curvava sobre a mesa e mostrava seus belos seios.nunca tinha visto ela assim tão bela e fiquei muito excitado, me levantei, até para mostrar minha excitação e ela percebeu e não tirou mais os olhos de meu sexo cada vez mais em evidência.
   O telefone tocou chamando ela para outro setor da empresa, mas eu impedi que ela fosse, ela ficou assustada achando que poderia perder o emprego, mas eu a acalmei dizendo que era um dos sócios. Nesse momento seus olhos brilharam e percebi que a moça do café tinha razão, pedi que ela largasse suas anotações e olhando no fundo de seus olhos perguntei qual seu objetivo na empresa, ela respondeu que era "subir" cada vez mais a qualquer custo, perguntei se "a qualquer custo", seria "qualquer coisa", ela com um sorriso sacana no rosto disse que sim.
   Me ajoelhei em sua frente disse que estava precisando de uma secretária particular, e que parecia que ela estava no caminho certo, ela descruzou as pernas deixando-as entreabertas,apoiei as mãos sobre suas coxas para ver sua reação, ela deu um suspiro e essa foi a "deixa". Tranquei a porta e voltei para aquela musa, baixei sua blusa e dois belos seios surgiram, chupei demoradamente cada um deles, beijei sua boca carnuda, e fiz que ela se levantasse, abracei aquele corpo gostoso e jovem e continuei aquele beijo, agora mais ousado, enquanto levantava sua saia, então virei-a de costas para o espelho da sala e ví que aquela bunda era realmente encantadora e melhor do que eu imaginava, apertei e puxei para mim, tirei a saia e logo puxei tambem a calcinha, e cai de boca naquele sexo perfumado.
    me deliciei ali e ela gemia de maneira timida, mas extremamente excitante, mostrando que estava adorando aquilo tudo. Foi então que me levantai e coloquei meu pau em sua boca e recebi o melhor boquete da vida(até então). A moça era especialista no sexo oral, me segurei para não gozar, pois queria era colocar naquela bundinha gostosa e foi o que fiz, coloquei-a de quatro no sofá dasala de espera e com aquele belo visual, me posicionei e meti com vontade até gozar muito em suas costas.Não preciso dizer que ela virou minha secretária chefe, e minha amante, e dias atrás realizei uma fantasia e levei ela e a moça do café para casa e fizemos a festa....

sábado, 5 de outubro de 2013

No ônibus

          Ela entrou no ônibus e já chamou a atenção por seus seios levemente expostos pela blusa decotada. Eram firmes, redondos, do tamanho perfeito para mãos que sentem prazer em tocar belas mulheres.
   Como o veiculo estava cheio , aos poucos ela foi chegando cada vez mais próxima de mim. as freadas do ônibus fizeram com que me segurasse e ao fazer isso, cada vez que alguem passava no corredor, ela encostava seus seios em minha mão.  A situação foi me excitando e pelo jeito ela tambem estava gostando daquele pequeno gesto quase que banal, mas que estava se tornando um belo jogo erótico. Ao ter um pouco mais de espaço ela se virou, ficando de costas para mim, e devido à calça de malha bastante justa, podia sentir suas nádeas quase que perfeitas. E a situação foi ficando mais excitante à cada movimento, agora eu me segurava na barra lateral e tocava seu seio esquerdo e ao mesmo tempo dava uma bela encoxada naquela bela senhora.
  Sim, era uma bela senhora e que estava gostando da situação. Como não houve rejeição, fui ficando mais ousado. No ponto em que estávamos do veiculo, ninguem poderia acompanhar nosso joguinho secreto, ao passar em uma das paradas mais movimentadas da cidade o ônibus encheu e ela , com muita delicadeza colou de vez seu corpo ao meu. ousadamente, abracei-a como uma velho conhecido e com a mão que não era visivel dos demais passageiros, introduzi por dentro de sua calça e pude sentir aquelas carnes macias, alisei carinhosamente aquelas nádegas gostosas, mas eu queria era chegar em seu sexo, e isto seria tarefa bem dificil de realizar. Como o veiculo estava cheio demais, virei-a para as janelas e com meu casaco, cobri sua cintura e aí tive acesso àquelas partes mais intimas e com os dedos sobre a calcinha, comecei a massagear levemente,senti que já estava úmida, então afastei um pouco a calcinha e introduzi o dedo em seu sexo, um suspiro misturado com gemido veio abafado, ela olhou para mim e sorriu, mordi sua orelha ainda com o dedo em seu sexo e ela deu uma leve recuada, mostrando toda sua excitação. O Ônibus começou à esvaziar, nos afastamos e ainda trocamos os telefones, espero muito em breve levar para a cama aquela decicia de mulher...

sábado, 28 de setembro de 2013

Comi a Filha da Amiga de Minha Mulher

        Sou casado e feliz no meu casamento, minha mulher é maravilhosa, morena com 1,64 de altura uma bunda gostosa e uma buceta maravilhosa, isso sem falar dos belos seios que tem. Ela tem uma amiga casada, mãe de uma adolescente de 18 anos e por circunstancia a família dela e a minha tornaram-se mais próximas.
Minha mulher sai sempre com Vania e pede para que eu quando saia do trabalho vá busca ela na casa de sua amiga (Vania), já tinha tanta liberdade que ela nem se importava de ficar de roupa de dormir na minha frente, vale lembrar que Vania é branca e tem uma bunda gigantesca. E Paula sua afilha segue no mesmo ritmo, branquinha, com uma bunda grande e dura, seios médios com os bicos bem morenos e cabelos cacheados nas costas.
     Certo dia ela me pediu pra passar e pegar ela, e dessa vez era pra comprar um vinho para o jantar, fiz o combinado e Jorge (marido de Vania) não estava em casa, estava viajando a trabalho. Quando cheguei elas estavam a vontade (Vania e Paula), aproveitamos a noite sem nos preocupar pois era uma sexta feira, e lá pelas tantas levantei para ir ao banheiro, quando sai, vi Paula sentada em sua cama com as pernas entre abertas de modo que pude ver um pouco da sua calcinha, ela me olhou e sorriu de maneira despretensiosa.
      Nos despedimos e fui embora com minha mulher, transei com ela pensando em Paula. Duas semanas depois minha mulher pediu pra eu passar la e pegar ela, pois estava com Vania no Shopping, perto da casa da sua amiga, disse a ela que iria direto da reunião que estava acabando, então ela disse que eu poderia esperar ela lá na casa de Vania, e assim fiz.
     Quando cheguei lá, Paula tinha acabado de chegar da aula e mandou entrar e disse pra ficar a vontade, que eu era da casa, e que iria tomar banho. Sentei na sala e do local onde eu estava dava pra ver a passagem entre o banheiro e seu quarto, coisa que fiz intencionalmente.
     Quando Paula saiu do banheiro estava só de toalha e demorou um pouco e depois voltou ao banheiro com a toalha só na parte de baixo, vestiu-se e veio à sala com um short, sentou-se a sala na minha frente e eu fiquei desconcertado, fui ao banheiro e meu pau estava duro como pedra, voltei e sentei, ela percebeu que eu estava de pau duro e abriu um pouco uma das pernas e dobrando a outra por baixo. Começamos a conversar e entre uma conversa e outra ela atendeu a ligação de uma amiga e num dado momento ela disse que o cara não tinha pegada e era muito molenga, olhou pra mim e riu.
     Foi ai que começamos a falar de sexo ela perguntando, e eu respondendo. de repente, ela perguntou se eu a achava bonita, disse que sim, e que se  fosse mais novo cantaria ela, mas como eu sou mais velho que ela, isso não aconteceria, ela disse que eu não pareço mais velho e sou muito melhor de ver que muitos garotos da idade dela, e que imagina o quanto minha mulher deve sofrer comigo na cama. Nessa hora meu pau deu um pulo.
Ela levantou e foi a cozinha e depois me chamou disse que ainda tinha vinho lá se eu queria eu disse que sim e fui, ela me deu a garrafa e abriu a gaveta para procurar o saca rolha, não achou e debruçou para procurar no armário em baixo da Pia, nesse momento vi que ela estava realmente sem calcinha, mais o melhor estava por vir, ela me entregou o saca-rolhas e na hora de passar esfregou a bunda em meu pau, olhou pra mim e sorriu. Foi para sala e sentou-se e continuamos a conversar, no meio da conversa eu disse que ouvi o que ela falou do cara, ela riu e disse que ela não sabia fazer sexo oral e que parecia ter nojo de buceta ela então disse que por vaidade se depila todinha, eu falei a ela pena que não posso ver, mais que adoro sexo de todas as formas. Perguntei se ela já tinha gozado com sexo oral, ela disse que tinha vontade, mais que os caras não sabiam fazer isso.
Eu criei coragem e perguntei se eu podia ajudar, ela sorrindo disse. “Temos menos de 1 hora, minha mãe esta na ultima loja com sua mulher”. Levantei e cai de boca naquela boceta.
Que delicia, lisinha, branquinha, e cheirosa, comecei a alisar toda e chupar, abri meu zíper e comece a bater uma, chupei com vontade, coloquei ela de quatro e comecei a chupar o cuzinho dela, ela gemia feito uma gatinha, de repente ela gozou parecia uma cachoeira. As pernas tremiam que mau consegui sentar levantei e sentei ao lado dela com pau duro.
Ela então disse que era nosso segredo e sentou em meu colo de frente para mim e baixou a blusinha e começou a cavalgar meti com vontade coloquei ela de quatro e meti na buceta dela e comecei a alisar o cuzinho dela, pensei que ela ia brigar mais uma vez ela gozou e tirou meu pau da buceta dela, passou a mão e enfiou o dedo no cu e disse “ venha goze aqui dentro”, meti bem devagar ela começo a se contorcer e comecei a bombar com mais vontade e com a mão ela se tocava, disse a ela que ia gozar ela disse que podia gozar tudo dentro do rabo dela e assim fiz, gozei … gozei muito… e ela também se tocando.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A Professora de Biologia


     Nos primeiros dias de aula sua beleza nem era muito notada, mas com o passar dos dias fui percebendo que era uma bela mulher, sorriso timido e um corpo que quando dentro de uma roupa justa podiamos perceber que era gostosissimo. Assim era a nova professora, que aos poucos foi se enturmando e se soltando com todos dentro da sala de aula. Um dia enquanto explicava a cadeia alimentar do mundo animal, bem na hora em que explicava quem comia quem , olhou para mim e sorriu, e continuou à falar dos predadores da natureza e chegou ao animal que está no topo e comentou que ninguem comia aquela espécie e ao mesmo tempo fez uma carinha triste e mais uma vez olhou pra mim.
   Eu como de tudo, se quiserem me convidar para jantar eu vou e me deu uma piscadinha sensual, foi a "deixa"que eu esperava...
   no intervalo ela me convidou para um café e conversamos animadamente como velhos amigos e ela soltou uma piadinha dizendo que o ex-marido era botânico e falou pausadamente Botanico(bota ni cú), e ela adorava, aí eu realmente percebi que aquele jogo estava ganho, passei alguns meses transando com a professorinha e ela era ótima na cama e sempre trazia alguma novidade. Infelizmente os horários acabaram ficando incompativeis e nos separamos. semana passada à encontrei e tivemos umas boas lembranças na minha casa e tive a oportunidade de pegar aquela gostosa de quatro mais uma vez, como era gostosa minha professorinha de biologia...

sábado, 7 de setembro de 2013

Alzira, Uma Empregada quase perfeita


A esposa de Heitor contratara recentemente uma nova empregada, chamada Alzira. Mulata, bonita, charmosa, seios fartos e um bumbum maravilhoso. Nunca entrara alguém tão “especial” naquela casa, Heitor até estranhara quando viu a Alzira pela primeira vez.
Alzira era cozinheira de mão cheia, fazia o trabalho de limpeza do apartamento, que não era grande, mas ela o deixava brilhando todo dia. Estavam muito satisfeitos com ela. No verão, ela perguntou à esposa de Heitor se poderia trabalhar de bermuda, por causa do calor. A patroa não se opôs, mesmo porque ela e Heitor só viam a Alzira na hora do almoço. Ela tinha a chave do apartamento, quando chegava eles, invariavelmente, já haviam saído, vinham para o almoço e à noite ela já tinha se retirado.
Foi um erro, porque em breve Alzira mostrou que, além de ser excelente na cozinha, era também uma exibicionista de primeira, e Heitor logo percebeu que ela queria se exibir era para ele. E foi ficando com um tesão enorme. E ela notava os olhares dele para ela e caprichava nos olhares para ele, principalmente quando a patroa não estava por perto. Um dia ele quase perdeu a cabeça, a pretexto de beber água, foi à cozinha e deu um jeito de chegar bem perto dela e sua mão, “sem querer, querendo” encostou na bunda de Alzira, que só deu um sorriso e fez um comentário maroto:
- Ah, seu Heitor… cuidado!
Na hora em que se sentaram para o almoço, ela veio trazendo os pratos com as comidas e “sem querer, querendo”, derramou um pouco de feijão em sua bermuda. Pediu desculpas e foi tirar a bermuda e colocou um short minúsculo. Quando voltou para a mesa do almoço, Heitor quase infartou e a esposa olhou contrariada. Quando o almoço terminou, ela foi até a cozinha e disse para a Alzira não usar mais aquele tipo de roupa.
- Eu sei, eu não iria usar, mas como a bermuda ficou suja tive de trocar, e só tinha essa. Mas prometo para a senhora que isso não se repetirá.
A patroa foi saindo e não viu a careta e a língua de fora que Alzira fez.
O estrago havia sido feito. Heitor estava alucinado e quando saíram para o trabalho, cada um no seu carro, ele fez meia volta e voltou ao apartamento. Abriu a porta e foi até a cozinha, onde Alzira estava inclinada sobre a pia, lavando as louças.
- Seu Heitor, esqueceu alguma coisa?
- Você fez de propósito, não foi?
- Se o senhor acha que foi… não vou contrariar… mas o senhor também ficou bravo comigo como sua esposa?
- Você sabe que não.
E chegou perto dela e lascou um beijo na bunda de Alzira que se arrepiou toda. E não achou ruim quando ele a despiu e se despiu. Viu o pau dele duro, gostou do que viu e na mesma hora fez ele se sentar , ajoelhou-se na frente dele e começou a lamber e engolir o pau, que pulsava dentro de sua boca.
Heitor sabia que não podia demorar muito. Colocou-a de quatro e meteu. Bucetinha apertadinha a dela! Meteu firme e ela começou a falar que ele era muito gostoso, que estava muito bom, que ela queria que ele socasse com bastante força, e ele socou até gozar feito um louco dentro dela. Vestiu-se rapidamente para ir para o escritório.
- Alzira, às quintas-feiras eu sempre posso chegar atrasado no serviço. Quer que eu faça como hoje?
- Por mim, podia fazer todo dia, patrão, mas se o senhor só pode quinta-feira… eu quero sim!
Na quinta feira seguinte, o mesmo procedimento. Saiu junto com a esposa, voltou. Alzira já o esperava nua na sala e ele a comeu a Alzira, com ela cavalgando-o. Ele deu de presente a ela uma meia e pediu que ela usasse na quinta-feira seguinte.
Ela obedeceu e até ampliou o pedido dele, esperou-o depois do almoço, nua, só com a meia e um sapato de salto. Ele ficou alucinado quando viu e a comeu em pé mesmo.
Ficaram nessa brincadeira por uns bons meses, até que a esposa começou a desconfiar e resolveu demitir a Alzira, para tristeza de Heitor.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Vizinho Tarado


 



Quero dividir com vocês o que me ocorreu após ter trabalhado e ido a faculdade e voltava para casa, na epoca tinha 18 anos não podia dirigir, ai encarava o onibus.
Entrei no ônibus que já estava lotado e fiquei em pé, como quase sempre ocorria. Não demorou muito e a minha bundinha empinada sob a sainha chamou a atenção de um homem mais velho que se posicionou atrás de mim, eu cansada e sendo chacoalhada para todo lado e de repente sinto que ele encostou de leve na minha bundinha, imediatamente senti um arrepio que subiu até a minha nuca, deixando meus pelinhos em pé, nunca tinha sentido aquilo no ônibus e não sei por que estava sentindo agora.
Conforme o ônibus balançava ele foi encostando em mim e ficando mais ousado. O cara foi me apertando cada vez mais e quando alguém passava ele aproveitava e me prensava contra o banco. Como não tinha para onde ir, ele me encoxava gostoso e nem desencostava mais. Senti o pau dele crescendo mesmo sob a calça e imaginei que deveria estar duro como uma rocha e isso me deu muito tesão e a minha bucetinha ficando molhada era a prova de que eu estava gostando da brincadeira. Então, cheio de tesão, ele cochicou no meu ouvido que a minha bundinha era muito gostosa e que estava de pau duro, instintivamente empinei a bunda e ele gemeu no meu ouvido e me chamou de safada. Passou a me encoxar descaradamente, o pessoal que tava sentado no banco percebeu que tava acontecendo algo e também ficaram de pau duro, com inveja do taradão que me encoxava se deliciando com a minha bundinha redondinha e empinada. Me assustei quando ele falou que queria tocar na minha bucetinha e em seguida senti sua mão deslizando pela minha bunda e descendo até a entradinha da minha bucetinha, passou o dedo sobre a calcinha e com incrível habilidade puxou a calcinha com um dedo enquanto o outro tocou a entradinha totalmente molhada da minha bucetinha. Tive que me conter para não gemer gostoso e não dar bandeira do que acontecia, isso durou um bom tempo, até que ele disse que tinha que descer e acho que o safado deve ter até gozado dentro da calça dele de tanto tesão que estava.
Fiquei na minha e discretamente arrumei minha calcinha e desci quase no ponto final e fui para a minha casa com a bucetinha pegando fogo, tomei um banho e bati uma siririca pensando no pau do cara e gozei deliciosamente, mas precisava de um pau de qualquer jeito, tinha que dar para alguém e tinha que ser hoje! rsrsrs
Quando anoiteceu, lá pelas 23 horas, escutei o meu vizinho chegar e dei uma desculpa para minha mãe de que ia assistir televisão na casa dele. Coloquei uma calcinha provocante e uma mini-saia com uma blusinha bem leve, que mostrava meus seios pequenininhos mas muito provocantes.
Toquei a campainha e o meu vizinho, Carlos, atendeu e eu perguntei se podia entrar para assistirmos um programa que ia passar na tv. Ele que sempre foi tarado por me comer e eu nunca deixei, a gente costumava assistir filmes juntos e às vezes ele pegava nas minha coxas e nos peitinhos e eu tirava a mão dele, ele colocava também a minha mão no pau dele, eu apertava e depois tirava a mão e ficávamos nessas brincaeiras mas sem ir adiante. Pediu para eu entrar e me disse que iria tomar um banho pois tinha acabado de vir do trabalho, eu fiquei esperando na sala da casa dele, e percebi que a família dele tinha se deitado, pai,mãe e irmã, então dei um pulo no banheiro com uma desculpa de que estava apertada, como a porta estava só encostada, entrei e o Carlos sorriu e virou de frente para que eu pudesse ver melhor o pau dele que começou a ficar duro, então ele me pediu para mostrar os peitinhos para ele, eu levantei a minha blusa e ele olhava e punhetava o pau bem devagar, esticou a mão molhada e pegou no meu seio, eu disse: "calma lá, é só para olhar" e ri da cara de tarado que ele fez. Então ele pediu para virar de costar e ficar de quatro sobre a tampa da privada e mostrar a bundinha, como eu estava cheia de tesão nesse dia, imediatamente fique na posição e levantei minha sainha bem devagar, ele ficou completamente tarado e punhetava mais rápido, pediu para mostrar a bucetinha e eu puxei meu fio dental para o lado e ele teve uma visão total da minha bucetinha novinha, desligou o chuveiro na hora e eu fui para a sala esperá-lo.
Em seguida o Carlos apareceu de calção e camiseta e sentou ao meu lado, eu fingindo que assistia televisão e que estava muito interessada no filme, ele começou a passar a mão nas minhas coxar e me beijou, eu correspondi por 3 segundos e disse que ele tinha namorada e que ela era ciumenta, Carlos nem ouviu o que falava, foi pegando nos peitinhos e me beijou de novo e eu no joguinho de deixá-lo excitado e então tirava a mão dele, ele vinha de novo e passava a mão nas minhas coxas, seios, barriga, beijava meu pescoço e então pegou na minha mão e disse: "olha como está duro" e colocou-a sobre o pau dele que mesmo dentro do calção deu para sentir que pulsava como se fosse explodir de tão duro. Meu tesão foi a mil nessa hora, mas eu continuava fazendo o joguinho da "santa puta", apesar de já estar mais puta do que santa..rsrsrs
Carlos então me falou que estava louco para comer a minha bucetinha que eu era uma delícia, gostosa, que vivia provocando ele, deixando de pau duro e caindo fora, essas coisas que os homens dizem quando querem comer a gente, eu disse que não podia dar a bucetinha para ele, mas ia chupar o pau dele, então levei minha boquinha até a cabecinha do pau e coloquei a minha linguinha nela e fui descendo até o saco, ficava chupando as bolas dele e subia de novo até a cabecinha, ele não aguentando mais empurrou a cabeça na minha boquinha, mas ela mal cabia e fiquei chupando o pau dele por uns 15 minutos e então ele disse que tinha que me comer de qualquer jeito e eu consenti que ele podia colocar o pau nas minhas coxinhas, ele abriu um sorriso, deitou no sofá já peladão e eu deitei de costas para ele, ele passou a mão na minha bucetinha e viu que estava totalmente molhada, escorrendo de tesão e disse: " sua bucetinha tá querendo o meu pau, veja! " e me mostrou o dedo melecado de meus sucos vaginais e então colocou o dedo na boca e chupou com gosto, em seguida abriu minhas pernas e colocou o pau dele no vão das minha coxas, bem encostado na bucetinha, senti um arrepio percorrer toda a minha coluna vertebral e Claudio bombava devagar, curtindo o contato da minha bundinha de encontro a ele, eu sentia o saco encostar nas minhas coxas e a cabeça do pau dele aparecia na frente enquanto esfregava no meu grelhinho, estava muito bom e eu quase gozei de tão gostoso. Ele pegava nos meus peitinhos e bombava nas minhas coxinhas, então pediu para colocar só a cabecinha na bucetinha por que queria sentí-la pelo menos uma vez, eu disse que podia, mas ia ficar segurando o pau dele com a minha mão para que ele não empurrasse tudo para dentro, ele concordou e peguei no pau duro e grosso dele e coloquei a cabecinha na entradinha da bucetinha, senti um choque de tesão e o Carlos o gemia e dizia que eu era uma putinha gostosa e safada, que tava louca para dar para ele, que ia foder gostoso a minha bucetinha e depois iria gozar na minha boca, eu fiquei com mais tesão ouvindo aquilo e sentindo a cabecinha do pau me foder, até que não aguentei mais e soltei o pau dele, imediatamente ele empurrou tudo para dentro e eu gemi gostoso, finalmente estava dando a bucetinha para um caralho gostoso que me fodia maravilhosamente bem. Carlos começou a bombar sem parar, o pau dele entrava e saia da minha bucetinha apertada escorregando gostoso devido à superlubrificação da perseguida, ficou me fodendo um bom tempo e eu disse para não gozar dentro de jeito nenhum, que se ele quisesse poderia gozar na minha boca (melhor na boca do que ficar grávida de bobeira), em seguida ele tirou o pau de uma vez, se levantou como um raio e enfiou o pau melecado na minha boca e gozou na minha garganta, eu tirei o pau dela da boca e levei outra gozada no rosto, então coloquei o pau na boca e fiquei curtindo o pau dele latejar e derramar as últimas gotas, fiquei chupando ele e com o dedo na minha bucetinha em batia uma siririca até que gozei, satisfeita, o pau do Carlos foi amolecendo e eu aproveitei para limpar o rosto, beijá-lo e disse que estava indo embora.
Voltaria muitas vezes para "assistir filmes" com ele, mas sempre fazia o joguinho do "não quero dar" e isso deixava ele ainda mais tarado, mas nem sempre eu dava para ele, às vezes fazíamos um 69 e ele chupava a minha bucetinha enquanto eu chupava o pau dele até gozarmos, ou ficava batendo punheta e chupando o pau dele, enquanto ele pegava nos meus peitinhos e eram sempre brincadeiras gostosas pois ele estava quase noivo e eu não queria problemas com a namorada dele e queria só me divertir.
Espero que gostem e que votem no meu conto que escreverei outros para vcs baterem gostosas punhetas.
Beijos

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Comendo a Doutora

 
Bom, vou começar me apresentando: tenho 16 anos, sou moreninho, 1,75m (nem muito alto e nem muito baixo). Então, eu sou um garoto de 16 anos que tenho certos receios como a maioria em relação ao tamanho do pênis, crescimento hormonal, etc. Então, falei com meus pais e eles me levaram à uma endocrinologista, ela era uma médica bonita, com um corpo delicioso DE-MAIS! e nem parecia ter a idade que tinha, até porque eu era mais alto que ela e parecia ser mais velho. Então, desde a minha segunda consulta com ela eu comecei a ter fantasias com aquela mulher e eu estava decidido a transar com ela (eu não era mais virgem quando comecei a me tratar com ela, pois pedi a virgindade um pouco antes de eu começar o tratamento). Ela falou que eu precisaria ir ao consultório dela regularmente até ela achar que não precisava mais. Então, fui à terceira consulta, foi quando começou o tratamento do meu pênis, pois no começo foi sobre crescimento, aí, ela pedi pra que eu tirasse a roupa e ficasse pelado pra que ela examinasse (é, eu não sabia que era assim mas tudo bem), então, ela olhou e olhou, até que ela botou a mão (meu pênis tem 14cm flácido e 18 ereto) ela olhou e só, disse que na próxima consulta faria outras coisas. Eu já fiquei com umas ideias porque eu também queria fazer outras coisas. Chegou à quarta consulta, desta vez fui sozinho, sem minha mãe ou meu pai. Chegando lá, ela pediu mais uma vez pra que eu tirasse a roupa e deitasse, naquela vez ela perguntou com que idade eu havia perdido minha virgindade (ela percebeu porque não tinha mais o freio do pênis e no homem é visível), eu disse que foi com 16 um pouco antes de eu começar a me consultar e ela falou ata! Aquela doutora estava com um ar muito safado, eu acabei imaginando que ela quisesse a mesma coisa que eu. Então, meu pau começou a ficar duro e ela deu um sorrisinho pra mim e eu pra ela. Então, eu levantei da cama e dei um beijo nela daqueles, ela começou a tocar pra mim e depois ela falou: você não me aguentaria, sou mais velha e mais experiente, você é novinho ainda e começou agora nisso. Então eu falei: quer ver o inexperiente aqui? quer experimentar? ela disse: vamos lá! Então, segurei a cabeça dela, e fui fazendo ela beijar meu corpo todo, até ela chegar no meu pau, como aquela mulher chupava gostoso, eu estava delirando com aquela linguinha passando pela minha cabeça do pau toda. Então, levantei e a joguei na cama do consultório dela lá e comecei a tirar a roupa dela, chupei os peitos dela e depois chupei aquela bucetinha rosadinha toda, deixei ela molhadinha naquele grelinho. Aí, peguei a camisinha que eu havia levado pois eu já estava com aquilo na mente, e ela foi colocando pra mim, segurando a pontinha com a boca e colocando até o fim do meu pênis, ela virou de quatro e falou assim: vai, come minha bucentinha vai, enfia essa rola aí, vai novinho, vai. Eu na hora, enfiei naquela cachorra, dei vários tapas nela e ela foi à loucura e eu também, nem estava acreditando que estava comendo aquela bucetinha. Depois deitei no chão e ela cavalgou muito no meu pau, transamos feito loucos ali. Até que eu gozei pra caralho na boca daquela doutora gostosa. E no final ainda falei assim: e aí, o inexperiente foi bem? e ela respondeu: bem melhor do que muitos outros mais velhos. E até hoje eu que consulto a bucetinha dela. Espero que tenham gostado da minha aventura com a minha doutora.

sábado, 17 de agosto de 2013

Duas Gostosas em Casa




Passo a relatar a continuação da excitante história de amor iniciada no conto “Transformando uma mamãe em vadia no estacionamento”. Recomendo que o leiam.
Esta história iniciou-se há algum tempo, quando tinha 27 anos (hoje estou com 31). Para aqueles que ainda não me conhecem, sou Felipe, com 1,70m, corpo atlético e bem definido, cabelos pretos e olhos castanhos. Formado em Educação Física e atualmente trabalhando numa empresa de fitness na cidade de São Paulo.
Namorava uma garota chamada Amanda, mas devido à distância e o longo período sem nos vermos, terminamos. Agora namoro a Máira, uma linda garota que conheci num teatro.
Desde que começamos a namorar temos um relacionamento intenso, regado por uma ardente paixão e horas excitantes de amor e sexo que praticamos loucamente. Nosso amor é assim: caloroso, ardente, picante e excitante. E depois de algum tempo em casas separadas resolvemos morar sob o mesmo teto, a Máira, sua filhinha Priscila e eu.
Priscila, desde cedo, sempre foi uma garota linda, inteligente, muito atenciosa e amável. Hoje, com 17 anos, tem um corpinho bem desenvolvido, seios fartos e bumbum saliente. Nosso relacionamento é harmonioso e tenho um carinho muito grande por ela, nos tratamos como pai e filha. Após o período de desenvolvimento, a Priscila já bem crescidinha, transformou-se numa linda mulher, puxando a beleza da mãe, e até hoje mantemos o mesmo relacionamento de amor e carinho.
Ao longo desses anos que temos convivido, Máira e eu nos aproveitamos intensamente. Estamos realizados com o outro e sempre há amor e tesão em nosso relacionamento. Em casa, costumamos assistir filmes juntinhos, e também com a Priscila que adora ficar no colo da mãe ou no meu. Ali, usamos poucas roupas e a Máira se veste apenas com calcinha e sutiã; eu fico só de cueca.
É lindo ver a Máira à vontade e ter o privilégio de admirar toda sua beleza e seu corpo delicioso. Sempre me excito ao vê-la desfilando seu bumbum gostoso dentro da pequeníssima calcinha. Ela é como um animal selvagem que foi domesticado por mim e é excitante ver minha tigresa sempre pronta a dar ao seu tigrão. Quando não resisto de tanto tesão, ataco-a por trás e fazemos um amor gostoso onde estivermos na casa; obviamente, distante da Priscila. A Máira é bastante submissa e a qualquer hora que desejo fodê-la, ela não reluta nem um pouquinho e logo se entrega, fazendo um amor gostoso e intenso.
Certo Domingo, ela inventou de preparar um almoço, e na cozinha, bem à vontade, desfilava seu lindo corpo. Eu a observava de longe, na sala lendo o jornal. Foi quando a Máira deixou cair um talher, e, tendo se abaixado para pegá-lo, apontou para mim todo aquele bumbum esplêndido e gostoso; imediatamente excitei-me e fiquei louco para comê-la. Corri doido como um tigre selvagem para atacá-la.
Chegando, abracei-a por trás, descendo a mão pela sua cintura e acariciando sua bocetinha com uma mão e os deliciosos seios com a outra. Olhamos à procura da Priscila e não a vendo por perto, Máira logo se rendeu às minhas carícias e obedientemente posicionou-se de quatro, apoiada à mesa; e a arrombei gostoso, enfiando freneticamente em sua bocetinha ensopada de mel. Gozamos feito dois animais no cio; aliás a Máira está sempre no cio, nunca me nega fogo. Naquele dia, ainda cheia de tesão, ela implorou pra que comesse seu cuzinho ali na cozinha. Sem pensar, já fui metendo gostoso em sua bundinha e ela rebolava feito uma puta, afinal adorava receber no rabo. Enquanto metia gostoso no seu frasquinho quentinho e delicioso, a masturbava com uma das mãos, até gozarmos novamente ali na cozinha.
Estava tudo muito bem, mas quando fui beijá-la, repentinamente a Priscila apareceu, com os olhos arregalados nos observando. Foi um desastre! Não sabíamos o que fazer, nem o que dizer. A Máira apenas falou: “Filha você está aí?”. E Priscila, ainda embaraçada com a situação respondeu irritada: “Por que vocês não vão para o quarto?”. Depois se retirou apressadamente, voltando para a sala.
Ficamos preocupados e envergonhados, mas no fundo sabíamos que ela já era uma mulher crescidinha e nos auge dos seus 17 anos já entendia o que se passava. Enfim, ainda sem coragem, resolvemos tirar a sorte no par ou ímpar pra decidir quem iria falar com a ela… Eu acabei sobrando!
Meio sem jeito e sem saber por onde começar, esbocei a primeira fala; porém mal abri a boca e a Priscila disse prontamente: “Não precisa me tratar como uma criança, eu sei o que vocês estavam fazendo! Saibam que é pra isso que serve a cama!”. Fiquei espantando com sua declaração e perguntei: “Como assim, o que você já sabe?”. Ela respondeu: “Felipe, se ainda não percebeu, sou uma mulher, não uma criança bobinha como vocês dois pensam!” Ao que lhe respondi: “De fato você é uma mulher e não uma criança, mas sabe que sempre queremos lhe proteger e lhe dar uma boa educação”, acrescentando: “Desculpe nossa atitude impensada, espero que isso não afete nosso relacionamento.”
Conversei mais um pouco com ela sobre sexo, e cheguei a perguntá-la se ela já havia se relacionado sexualmente com alguém. Ela meio sem jeito respondeu: “Felipe, olha pra mim, sou uma mulher, se liga!” Acrescentando: “Veja meu corpo de mulher, já estou cansada de ser ignorada por vocês, e é mesmo uma grande pena que você ainda não tenha notado a linda mulher que sou.” Deu uma risadinha disfarçada e ainda disse: “Ainda sou virgem se é essa sua preocupação, e só vou perder minha virgindade com alguém assim, gato como você, seu bobo!”
Eu lhe disse que a notava sim, e não ignorava a mulher linda em que ela se transformara, não sendo mais a garotinha ingênua de outrora. Mas ela retrucou: “Você não me nota em nada, e olha que faço de tudo pra chamar sua atenção e você não está nem aí pra mim.” Sorri dando-lhe um forte abraço e um beijinho delicado o na testa, como costumava fazer, dizendo: “Deixa de ser bobinha e, a partir de agora, vou prestar mais atenção em você, mas não se esqueça que será sempre minha menina querida.” Ela gostou do que ouviu, pulou em meu colo e ficamos ali abraçados, juntinhos assistindo TV.
Mas suas palavras não saíram da mente, e fiquei tentando entender o que ela queria dizer com “… é mesmo uma grande pena que você ainda não tenha notado a linda mulher que sou.” Pensando se aquilo fora apenas um simples desabafo ou se havia ali uma alguma segunda intenção.
Os dias se passaram e a partir daquele momento passei a observá-la mais atentamente. Na verdade, desde que ela havia crescido, sempre reparava em seu corpinho lindo e desenvolvido em relação às garotas de sua idade (coisa que com certeza herdara da sua gostosa mãe), mas apenas via nisto um sinal de que ela era uma garota muito saudável… E nada mais que isso.
Porém, agora ela se apresentava a mim de forma diferente. Além de estar matura, era uma mulher, uma linda mulher, tal qual sua mãe. Possuía um lindo corpo, seios lindos, abundantes e, confesso; bem desejosos, seu bumbum era um espetáculo e como malhava, tinha um corpinho maravilhoso com coxas bem grossas. Resumindo, era uma verdadeira princesinha!
A partir daquele flagrante na cozinha, percebi que o comportamento da Priscila tinha mudado. Ela sempre passava pela casa de calcinha e com uma pequena blusa, deixando a popa da bundinha à mostra. Algumas vezes, eu estava assistindo TV e ela ficava tentando atrapalhar meu programa, posicionando-se à frente da TV e dançando sensualmente, rebolando para mim, tentando chamar minha atenção, com aquele bundão gostoso que já estava me deixando louco de tesão. Outro fato, é que ela adquiriu o hábito de se trancar no quarto e passar horas em silêncio ali dentro, algo que ela não costumava fazer. Máira e eu tentávamos entender o que se passava, mas ela misteriosa e calada, não falava nada a respeito; dizendo apenas que precisava de privacidade.
Mas certo Domingo ela me revelou o segredo de todo aquele comportamento. Eu assistia TV, ela acordou e veio direto até mim, sentou em meu colo e encostou a cabeça em meu peito. Usava somente uma calcinha e sutiã; e eu somente de short surfista, sem cueca. Ficamos ali abraçados, e eu acariciava sua cabeça e lhe beijava o rosto. Ela também passava as mãos em meus cabelos e me beijava. Até que sem receio, ela sussurrou ao meu ouvido: “E aí, já pegou a mamãe na cozinha hoje, safadinho?”.
Cheguei a sentir seus lábios molhados no ouvido. Respondi a ela: “Você ainda não esqueceu isso não Pri?”. “Claro que não”, disse ela, “como poderia esquecer uma cena excitante como aquela?”, acrescentou. “Mas você não tinha ficado chateada?”, lhe disse. “Foi só um drama que fiz, pra assustar vocês, seus dois safadinhos; na verdade assisti tudo desde o início e gostei de ver vocês se amando daquele jeito.” Continuou ela.
Como estava ficando sabida aquela garota! Imaginei. Realmente me impressionou. Mais ainda pelo fato de ela ter ficado excitada com o que viu.
Não quis mais conversar sobre o assunto, mas senti algo diferente quando ela disse que tinha se excitado. Nesse momento ela se mexia em meu colo e mordia meu rosto, eu sentia o peso e o calor de sua bundinha virgem encima do meu pau, que não demorou a endurecer. Realmente ela tinha acordado muito excitada e mostrava isso claramente em seus gestos!
Percebendo que rolava algo a mais com aquelas carícias, e tendo ela sentada ali em meu colo me fazendo carinho, comecei a ficar ainda mais excitado. E ela, percebendo meu estado, se aproveitou da situação acariciou-me ainda mais, mordendo minha orelha, rebolando em meu colo e sussurrando em meu ouvido: “vou pedir a meu namorado pra fazer comigo igual você fez à mamãe.” Nisso, continuava remexendo mais ousadamente encima do meu cacete, se esforçando para posicionar sua bocetinha encima dele. Gemia bem baixinho ao meu ouvido: “sempre achei você muito gostoso Felipe!…”
Eu já não me aguentava mais, sentindo sua xaninha quentinha e virgem roçar em meu pau, que pulsava freneticamente. Dei-lhe um cheiro prolongado no pescoço e disse: “Por que esperar seu namorado, se eu posso satisfazer você igual a sua mamãe?”
A essa altura ela já abria as pernas tentando encaixar a bocetinha eu meu pau que já estava travado e ia de encontro à sua vagina. Foi uma loucura sentir sua língua gostosa e virgem lambendo meus lábios e sua bocetinha ralando em meu pau, protegida apenas pela calcinha que já se estava toda molhada. Eu estava louco para sentir aquele corpinho por inteiro.
Taquei-lhe um beijo gostoso e pressionei seu bumbum contra meu pau, roçando sua bocetinha virgem em mim, era uma delícia! Afastei o corpo dela um pouco para trás e comecei a morder seu pescoço e seus seios. O par de seios mais gostosos que eu já havia mordido, durinhos, lisinhos e ao mesmo tempo macios… E eu era o primeiro a explorar aquela gostosura.
Tomei-a nos braços e a levei até seu quarto. Jogando-a em sua cama, comecei a mordê-la louco de tesão e, tirando seu sutiã apalpava seus seios deliciosos. Com a outra mão, a masturbava por cima da calcinha. Ela gemia como uma putinha: “Ai Felipe, como você é gostoso!” Eu lhe dizia: “Você é uma delícia, minha princesa, hoje você vai virar uma putinha igual a sua mamãe”. Ela gemia de prazer: “Ai, que gostoso, me come como uma putinha vai!”.
Desci lambendo e mordendo todo seu corpinho até chegar à sua virgem e inexplorada grutinha. Arranquei sua calcinha, e apreciei quão bela era sua xaninha: apertadinha, toda depilada, rosadinha… Um convite ao prazer! Dei um cheiro bem gostoso e senti o perfume delicioso que exalava daquela virgem. Comecei a passar a língua em seu clitóris e por toda a vagina. Ela estava prestes a gozar e vi as contrações da bocetinha e de todo seu corpo virgem. Ela gemeu gostosamente e gozou de prazer em minha boca, realizando vários movimentos involuntários de contração na xaninha. Rapidamente, levantei-me e levei meu pau até seus seios, esfreguei nos dois peitinhos e passei em sua boca, pedindo-a pra fazer um boquete. Nem precisava pedir: Ela agarrou meu pau com sua mão delicada e iniciou uma punheta deliciosa. Posicionamo-nos de forma invertida e fizemos o famoso “69”. Sua boca, grande e carnuda, não teve dificuldades em engolir todo meu pau. Enquanto ela me chupava gostoso eu chupava sua bocetinha e massageava seu clitóris.
Gozei gostoso em sua boca, bombardeando vários jatos de esperma, dos quais ela se alimentou com muito gosto. Enquanto eu prosseguia chupando sua xaninha, ela, não suportando mais, implorou: “Mete essa pica pra dentro, vai gostoso! Coma-me bem gostoso!” Levantei-me e arregacei os lábios vaginais, acariciando seu cabacinho, que estava ali intacto esperando por sua primeira experiência, que nesse caso, seria meu pau. Posicionei a cabeça do cacete no buraquinho apertado e comecei a meter devagarzinho, sempre perguntado se doía e se podia prosseguir; fazendo-lhe carinho e beijando-a. Ela estava apreensiva, percebi, mas consentia pra que eu continuasse.
Forcei devagar até que senti a cabeça passando e comecei a senti sua bocetinha quente pressionar meu pau de forma deliciosa. Ela deu um gritinho bem baixinho e pediu pra que eu parasse um pouco. Parei por alguns segundos, mas deixei o cacete ali no mesmo lugar, mexendo devagarzinho com o pau dentro dela. Ela recuperou o fôlego e pediu pra que eu continuasse. Prossegui enfiando de leve e senti meu pau entrando aos poucos em sua xaninha apertada. Beijávamos intensamente, um beijo apaixonado. Passei a enfiar com mais força, e ela já gemia pedindo pra que eu não parasse, implorando pra eu continuar metendo.
Soquei firmemente, num gostoso vai-vem até que ela não se aguentou mais e gozou. Gozou seu primeiro gozo em meu pau e abraçamo-nos fortemente.
Enquanto ela recuperava o fôlego, lhe disse: “Agora sim, você é uma mulher completa, minha mulher.” Deixei o pau dentro por alguns instantes e quando estava prestes a gozar, o retirei. Estava um pouco melado com o sangue do cabacinho, então nos limpamos e eu a pedi pra que ela deitasse de bruços, pois queria gozar na bundinha dela. Não poderia perder a chance de sentir sua bundinha que tantas vezes me excitara remexendo em meu pau. Sua bundinha era meu troféu, talvez até mais que o cabacinho!
Deitei por cima dela e comecei a bombar sua bundinha; não enfiei no buraquinho, ainda não preparado. Ralei bem gostoso na bundinha até gozar intensamente. Foi delicioso sentir aquela bundinha carnuda, quentinha e gostosa em meu pau.
Abraçamo-nos, nos beijamos e nos acariciamos ali. Em seguida, quando nos dirigíamos cada um para seu banheiro, ouvimos a Máira gritar: “O almoço está pronto Pessoal!”
Continuamos nesse triângulo secreto por alguns anos, e cada vez mais me apaixonava pela Priscila. Estava apaixonado pelas duas e não sabia o que fazer para sustentar esse relacionamento, mesmo porque a Priscila começou a sentir ciúmes de sua mãe, pois só podia ficar comigo às escondidas.
Enfim, elaborei um plano para conseguir ficar com as duas sem segredos. E contarei a vocês em breve.