Rota RGB 05

Rota RGB 05
Siga a Rota RGB 05

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Comendo mãe e filha

Zuleica era uma morena de 43 anos, seios fartos que ela não se cansava de ser admirada por eles. As roupas que usava deixavam seu marido alucinado, pois realçavam sempre os seios com decotes enormes. Tinham uma filha, Ticiana, de 21 anos, que sempre lhes pareceu muito bem comportada. Zuleica acabou por descobrir que a filha não era como ela e o marido pensavam.
Foi assim. Uma tarde em que ela tinha saido para fazer compras. Não era muita coisa, ela logo regressou e quando abriu a porta… a sacola de compras foi ao chão com o susto que ela levou ao ver a filhinha comportada deitada no sofá apenas de camiseta, sendo comida por um rapaz do qual ela só via a bunda, pois ele estava deitado sobre ela, só de camisa.
– Mas o que é isso? Ela gritou. E a filha e o rapaz, completamente transfigurados de pavor, vestiram-se rapidamente, ela com um shortinho ele com uma bermuda e ficaram sentados no sofá esperando a bronca.
– Eu perguntei o que é isso?
– Mãe, o que você está fazendo aqui?
– Ah! Não te contaram que eu sou a dona da casa e consequentemente eu moro aqui?
– Eu sei, mãe, eu estou perguntando o que você está fazendo aqui agora, você saiu para fazer compras e sempre leva a tarde inteira!
– Ticiana… você está querendo me dizer que toda vez que eu sai isso acontece?
– Não, mãe… por favor, hoje foi a primeira vez, eu juro! Eu não sei te explicar, mas foi algo irresistível!
Zuleica continuou dando bronca e seus olhos ora viam a filha desesperada ora viam o rapaz encabulado. Mas uma coisa chamou a atenção dela: o pau dele estava bem visível embaixo da bermuda. E parecia estar duríssimo. Como podia ser isso?
– E você, rapaz, que coisa maluca é essa que estou vendo? Eu dando um esporro em vocês e você ainda fica de pau duro!
– Mãeeeeeeeeeeee…..
– Fica calada, Ticiana! Acha que sou cega? Olha lá, aliás, eu quero ver isso… baixa a bermuda que eu quero ver.
– Mãeeeeeee!
– Vamos rapaz, estou mandando!
Timidamente, o rapaz baixou a bermuda e quem arregalou os olhos foi a Zuleica. Que tamanho de pau! Bem maior do que o do marido dela!
– Ticiana, acho que já sei porque você não conseguiu resistir! Nem eu estou resistindo!
– Mãe de Deus… para de falar assim!
– Eu não paro não! Nunca vi um pau tão grande e bonito como este. Minha filha, já que estamos na época do “compartilhar”, você vai compartilhar isso comigo!
– Mãeeeeeeee!
– Ticiana, você só sabe falar Mãe, Mãe, Mãe? Fica calma!
E assim falando, ajoelhou-se na frente do rapaz, pegou no pau dele, olhou admirada, abaixou o vestido e os seios fartos pularam na frente dele, ela pegou o pau e colocou entre os seios, com os olhos fechados, curtindo a quentura daquele pau em brasa. Fez um boquete nele.
– Filha, eu não sou egoísta, quero aproveitar, mas sei que ele é seu. Vem cá, me ajuda a chupar essa coisa linda.
Ticiana se rendeu à evidência. Tirou a blusa enquanto a mãe tirava o vestido e as duas se debruçaram sobre o pau do rapaz, lambendo, chupando, deixando-o maluco com o que via e sentia.
E depois Zuleica, sem a menor cerimônia, tirou a calcinha e sentou-se no pau do rapaz, cavalgando-o enquanto a filha olhava, não mais atônita, mas surpresa com as atitudes da mãe.
– Vem cá, filha, o rapaz é seu, sua vez de sentar no pintão.
Ticiana subiu no sofá e foi sentando. Zuleica pegou no pau dele e foi dirigindo-o para entrar na xotinha da filha.Ticiana começou a pular, mas parece que não era a posição preferida dela. Logo ela saiu e ficou de quatro no sofá. O rapaz, mais que depressa, enfiou a pica na xotinha dela. E Zuleica ficou atrás dele, passando a mão na bunda dele, apertando, passando as unhas nas costas.
– Minha vez de novo!
Ela também ficou de quatro no sofá e o rapaz fincou a vara na buceta da coroa, mas muito enxuta ainda! E meteu muito até que ela demonstrasse um gozo extraordinário.
– Maravilha, rapaz! Maravilha! Ainda consegue dar prazer pra minha filha?
– Claro!
Então Ticiana deitou-se no sofá e ele meteu de novo, até conseguir faze-la gozar também. Admirada porque ele ainda não gozara, Zuleica, que estava fora de si, abocanhou o pau dele e o chupou até que ele gozasse abundantemente em sua boca.
– Rapaz, foi muito bom, muito bom mesmo. Agora vai embora, que eu preciso conversar seriamente com minha filha.
Ele se despediu e se mandou. Achava que nunca mais voltaria!
A conversa de Zuleica com sua filha, no entanto, não era mais de bronca.
– Filha, eu acho que você deve ter ficado escandalizada com o que eu fiz. Eu estou! Mas quando vi o pau desse moço, eu perdi o juízo!
– Entende porque foi irresistível? Na hora que ele me mostrou eu fiquei igual à senhora. Estremeci todinha!
– Tá certo, filha, tá certo. Não vou te recriminar. Mas temos um problema. Seu pai não pode saber disso. Então temos um acordo: você não conta nada, nem eu! E esse moço, é seu namorado? Se for, convide-o sempre…