Rota RGB 05

Rota RGB 05
Siga a Rota RGB 05

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Prestação de Serviços



Eduardo e Isabela, um casal na faixa dos 40 anos, sem filhos, ela, 1,67, 60k, castanha clara linda de rosto e corpo não aparentando a idade que possui. Um rabo de tirar o folêgo.
Durante o relacionamento sempre apimentaram a relação com fantasias mas nunca as concretizaram. Eduardo filmava e tirava fotos da esposa nua em várias posições e as mantinha no computador.
Quando vieram de mudança para Florianópolis não esperavam a reviravolta que suas vidas tomariam.
Ajeitando a mudança na casa nova aos poucos, Eduardo percebeu que seu computador tinha parado de funcionar, talvez por causa do transporte feito. Por sorte perto da casa tinha uma loja de informática e técnicos por ali.
Telefonou tentando agendar uma visita rápida mas não foi possível, não tinham como ir arrumar o computador naquela semana só poderiam fazer visitas na próxima, ante o acúmulo de serviço. Foi o que um voz forte e grossa falou do outro lado do telefone. Disse ainda, que caso tivesse pressa, poderia levar o PC lá para darem uma olhada sem compromisso.
Foi então até a loja e lá chegando conheceu o dono daquela voz forte e grossa, um negro enorme, de 1,90 de altura, musculoso, com os braços muito fortes, uns 30 anos, sorridente e simpático. Me identifiquei e entreguei o PC. Ele chamou um técnico que foi dar uma olhada no PC e ficaram ali conversando Eduardo e Felipe. Perguntas banais de onde eram, de onde tinham vindo, se era casado, amenidades. Felipe disse ser solteiro, que tinha muita mulher solta e que não iria casar. Dei um sorriso e fomos interrompidos pelo técnico que disse que era apenas a fonte do PC que tinha queimado.
Felipe pediu a Eduardo para passar no fim de tarde pegar o PC pois teria de comprar a fonte no centro para trocar a peça.
Fim de tarde Eduardo volta a loja e Felipe se desculpa dizendo que não houve tempo de trocar a peça, mas que no dia seguinte levaria o PC pra ele em casa.
No dia seguinte, Eduardo avisa a esposa que o técnico iria passar lá levar o computador fazer as instalações de internet, pois precisava sair para seus afazeres.
Ao abrir a porta Isabela se depara com dois negros, Felipe e um outro rapaz, de 1,75, mulato. Felipe pergunta por Eduardo e fala que veio deixar o computador e fazer a rede de internet.
- O Eduardo saiu mas disse que vocês vinham, podem entrar, é por aqui - disse Isabela.
Depois de aproximadamente quarenta minutos, Felipe chamou Isabela, dizendo que havia terminado o serviço e que era pra ela ir ver o computador e fazer um teste.
Isabela senta em frente ao PC com os dois negros um de cada lado.
- Abre aquela pasta lá e executa uns videos e ve umas fotos pra ver se está certo, isse Felipe.
Quando Isabela começa a abrir os arquivos se apavora e começa a gaguejar dizendo o que é isso?? Como se não soubesse que os videos e as fotos eram suas nuas.
- Isso é você sua gostosa, você é um tesão, todos tocaram uma punheta por você na loja.
- Meu Deus que vergonha!!!
- Vergonha nada, você vai virar celebridade, pois gostamos tanto dos videos e das fotos que gravamos em um DVD e vamos colocar no youtube.
- O que? Você tá louco? isso é crime você vai preso.
- Sua vadia, até eu ir preso você já foi vista por milhões.
- Por favor não faça isso, diz Isabela já chorando e abaixando a cabeça com as mãos no rosto.
- Engole o choro safada, tem um jeito da gente entrar em um acordo. Não mandamos nada pra internet mas a partir de hoje você é nossa puta. Tira a roupa já!!!
- Não, por favor - tentou argumentar Isabela quando recebeu um tapa no rosto e foi segurada pelo mulato na cadeira, enquanto Felipe retirava seus sapados, calças e blusa, a deixando só de calcinha.
Os dois negros então se despiram, o mulato, Junior, tinha um cacete de uns 22 cm enquanto Felipe era descomunal, uma tora negra de 25 cm, grossa e reta. Colocaram Isabela de joelhos no chão e revezavam em colocar a pica na boca dela.
- Chupa vadia, mama nessas rolas negras sua puta, agora você tem machos pra te comer.
Isabela então se entregou, não queria levar mais tapas ou ter suas fotos publicadas, então fez o que eles mandavam. Chupou muito as duas picas negras, até que Junior a levantou e tirou sua calcinha e começou a chupar sua buceta, agora ele ajoelhado em frente dela. Felipe se ajoelha atras dela e começa a chupar o cuzinho dela.
Ela está nas nuvens com duas bocas sedentas, uma na sua bucetinha e a outra no cuzinho, com as linguas sendo enfiadas nos seus orifícios, ela começou a entrar no jogo deles.
- Ai gostoso, dizia baixinho...
Depois de uns minutos, Felipe pega Isabela pelos cabelos e diz:
- Minha puta, agora nós vamos te foder toda e como você é vadia, vai dar pra nós na cama do seu marido corno. A levaram até o quarto, chegando lá, Felipe se deita na cama com o cacete enorme apontando pro teto:
- Vem trabalhar puta, senta nessa vara aqui.
- É muito grande você vai me machucar.
Agora é Junior que a pega pelos cabelos e a leva até a cama a faz subir e se posicionar em cima do cacete de Felipe, que prontamente, apontou o caralho pra entrada da bucetinha dela.
- Não dá é grande demais, não to conseguindo.
- Tá certo, lembra então que foi você quem pediu, Felipe vira e fica por cima dela, a coloca de bruços e vai enfiando por trás seu cacete na buceta dela.
- Para por favor, ta doendo.
- Fica quieta sua puta, você vai ficar com a buceta com o tamnho certo pro meu pau, é só dar uma alargadinha e num golpe colocou o pau até a metade nela, que soltou um grito de dor e lágrimas começaram novamente a cair pelo seu rosto.
A segurando de bruços com os dois braços presos Isabela era uma presa fácil e não pode evitar que quase toda aquela tora negra a preenchesse. Junior colocou o cacete em sua boca novamente e mandou chupar.
Ficou ali ela com um caralho preto na boca e outro na buceta num vai e vem que começou lento e depois Felipe já a fodia sem muita dó, enfiando o cacete com vontade nela.
- Agora que já recebeu ele, vai poder sentar, se colocando novamente de costas na cama, Isabela subiu como ordenado, sentoui e fez o caralho de Felipe sumir dentro dela. Ele a puxou e começou a beijá-la. Ela rebolava no cacete dele com vontade já e sentiu quando Junior encostou o pau no seu cuzinho forçando a entrada.
Não reclamou, nada disse, apenas aguentou e mais uma pica entrou nela. Ficaram engatados nela um tempo desse jeito, quando a colocaram de quatro na cama e ficaram revezando e judiando dela enfiando suas varas alternadamente no seu cuzinho, as picas de 22 e 25 cm entravam e saiam dela.
Então, pararam e ordenaram a Isabela que deitasse na cama e abrisse as pernas que eles iriam gozar.
- Vocês já estão me fudendo sem camisinha, não goza dentro não!!
- Você ainda não entendeu que é uma puta né sua vadia? Mulher de corno como você tem de levar porra.
Socou seu caralho nela até as bolas, segurou os braços dela aberto e começou a fuder freneticamente chupando seus seios e beijando sua boca. Quando estavam num beijo profundo Felipe despejou toda sua porra nela, saindo, e logo sendo substituido por Junior que recebeu a ordem de Felipe pra gozar na buceta dela também.
Ela sentia suas buceta escorrendo esperma daqueles caralhos negros enormes, se sentia toda arrombada e molhada.
- Gostou né sua vadia safada? É só o começo, se prepara que agora você é nossa puta e terá de nos atender sempre que quizermos e o mais importante, nada fale pro teu maridinho ainda, se percebermos que ele notou algo, suas fotos serão publicadas, não estamos brincando, a coisa pode terminar bem ou mal, depende de você. Mais tarde contamos para o corno, depois que sentirmos que é realmente nossa puta e está se entregando com dedicação. Me passa o teu cellular vamos manter contato.
Ela obedeceu e disse, não vou falar nada não, vou fazer como vocês querem, mas quero a palavra que não serei exposta na internet.
- Isso depende de você sua puta!!! Respondeu Felipe já vestido e indo embora.
- Te ligamos!!!
Esse é o primeiro capítulo da estória que continuará em outros contos.
Espero receber contatos de negros pausudos para algo real.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A Coleguinha cresceu...

        Depois de muito tempo voltei à ver aquela minha coleguinha de colégio, agora uma bela mulher(foto) e não a menininha que por vezes roubei alguns beijos.
    ela estava como supervisora de um curso que eu estava fazendo naquele ano e vinha na minha sala de aula dar seus recados, olhava para mim e sorria maliciosamente.
    Os dias passaram normalmente e um dia ao sair do prédio onde tinha aulas, ví que ela tambem saía e parei ao lado de seu carro e fiquei admirando suas coxas expostas , pois estava com um vestidinho colado ao corpo. Descobri naquela semana que ela estava casada,  ela me disse que me levaria em casa, entrei no carro e fomos...
   Com o balançar do carro a saia foi subindo deixando exposta sua calcinha branca que mostrava seu sexo estufado, não consegui olhar para mais nada além daquele paraiso escondido sob a calcinha.
   Ela foi conversando, conversando e eu já nem ouvia o que dizia só admirava aquele corpo e agora eu subia com os olhos admirando cada pedacinho que um dia eu me atreve à alisar nos tempos de nossa juventude.
   Num certo momento paramos na sinaleira e ela me olhou nos olhos e disse que tinha sido apaixonada por mim, e lamentou que nosso caso tenha ficado só nos amassos, nisso coloquei a mão em sua coxa e disse que isso era um detalhe que poderia ser facilmente resolvido, o sinal abriu e seguimos nosso caminho, dobrou mais uma esquina e estávamos em minha casa, convidei-a para subir e ela veio, deixei ela ir na frente para admirar seu belo corpo e aquelas deliciosas formas que me encantavam desde os tempos de colégio. Ao chegar na porta dei um velho tapinha em sua bundinha gostosa e sorri dizendo que estava muito mais gostosa do que antes, ela sorriu e entrou, mas foi só eu fechar a porta que ela se transformou, pulando em cima de mim, parecia outra mulher, parti pro sacrificio e tirei o vestido deixando-a somente com aquela calcinha que eu já fitava desde que haviamos saido do curso. Puxei seu corpo para o meu e nem preciso dizer que já estava excitadíssimo, tirei toda a roupa e pedi que se ajoelhasse pois lhe daria o que sempre quis e que alguma vezes acabei recusando por medo de seus ataques. Ela segurou meu membro olhou e colocou na boca de uma forma suave e sensual quase me fazendo gozar, tive que me controlar, mas ela era mestre nisso e por pouco não derramei meu leite naquela rostinho. Virei-a e tirei aquela calcinha vagarosamente e pedi que ficasse de quatro no sofá, nossa, que visão, se já era gostosa quando adolescente, imaginem agora, aquela mulherão de quatro me esperando, não aguentei e fui metendo devagar naquela grutinha.....ela gemia....pedia mais.....chorava....gritava e eu ali castigando aquele corpinho, foi indescritivel, acabei comendo aquela bundinha duas vezes naquela noite, afinal de contas ela me revelou que o marido estaria viajando....foi um reencontro maravilhoso e inesquecivel.