Rota RGB 05

Rota RGB 05
Siga a Rota RGB 05

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Dando no Parque


       Estava com um amigo conversando em um parque aqui da minha cidade. É um parque localizado na parte central da cidade com muito verde e vários locais para descanso, conversas reservadas, lazer e esportes.
  Conversávamos num local tipo "coreto", mais afastado, quase á beira do pequeno lago onde as pessoas passeiam de pedalinhos. Nisso um cachorrinho veio correndo em nossa direção e começou à brincar com nós dois, ele usava uma coleira, o que significava que o dono ou dona estivesse por perto, ou ele estava perdido mesmo.Acabamos esquecendo o bichinho ali e continuamos com nosso papo, quando chega uma mulher, com uma tremenda pinta de vileira e chama o cachorrinho pelo nome, era Bóbi se não me engano, e ele vai atrás dela, mas ela, curiosa quis saber onde ele estava todo aquele tempo, aí nos viu ali conversando e puxou conversa tambem.
   Como disse, tinha um jeito e uma pinta de vileira, estava vestida com um biquini vermelho e uma saia justa por cima, seus seios eram bem grandes e pareciam que iam saltar, era meio gordinha, mas confesso que era bem gostosa.Ela começou a falar que procurava Bobi há bastante tempo e que não sabia como agradecer, nisso meu amigo colocou a mão no seio da moça, tirando para fora e começou à massagêá-los carinhosamente,  sabia que meu amigo era meio maluco, mas me surpreendi com sua ousadia.
   A mulher parecia nem se importar e estava gostando da situação, meu amigo então começou à chupar aqueles verdadeiros melões que mal cabiam na boca, enquanto a mulher começava à punhetá-lo. que cena excitante, eu alí paralisado e louco para entrar na festa, mas um pouco contido, foi então que a mulher baixou as calças de meu amigo e começou à chupá-lo com uma habilidade de profissional, aí não resisti e aproveitando que ela estava ajoelhada, levantei sua saia dando de cara com uma bunda quase que perfeita, gordinha, mas deliciosa. Alisei, meti os dedos, beijei, chupei aquela bucetinha e me preparei para penetra-la, quando a mulher virou e disse que queria primeiro me chupar, e que chupada, nisso meu amigo que já estava com o pau lambuzado começou e comer aquela bucetinha gostosa. Ela agora me chupava e era fodida ao mesmo tempo, gemia feito uma cadela.
   Me deitei e pedí que ela agora desse para mim aquela delicia de buceta, a mulher cavalgava com uma suavidade que quase gozei, enquanto meu amigo, agora comia aquele rabo delicioso.Trocamos algumas vezes de posição, eu comi aquele cuzinho tambem, nos despedimos e fomos embora dando risadas com o inusitado, afinal não é todo dia que se encontra uma mulher "dando sopa" num parque da cidade.



                                                                                                                    -By K-ren-T

sexta-feira, 19 de abril de 2013

A Vizinha e sua prima




Olá pessoal. Tenho uma vizinha que é uma verdadeira gracinha, ela é uma garota que partiu de um corpo de menina a corpo de mulher em 1 ano. É um DELÍCIA com todas as palavras, vou descrevê-la: Pele branca, olhos e cabelos liso castanho claro, 1,65m de altura, seios que cabem exatamente na palma da mão (seus seios são tão durinhos que ela dança e eles mau se mexem), bundinha empinadinha e coxas proporcionais, sem um pingo de barriga ou algo sobrando ou até faltando, ou seja, a garota tem um corpo perfeito. É o tipo de garota que todos os meus amigos sonhavam em tirar a virgindade, e todos diziam “O primeiro que comer a Kelly vai ser o cara mais sortudo do mundo”, e a sorte estava do meu lado, eu ja havia dado ums beijinhos nela e ninguém sabia. O tesão percorreu os nossos corpos desde a primeira vez em que nos beijamos, e a partir daquele momento sabíamos que seria inevitável que rolasse uma transa. Porém como me encontrava na época com 21 anos e ela com apenas 18, fiquei muito arredio em tomar alguma iniciativa. Sempre critiquei os meus amigos que abraçavam ninfetinhas, e acabei me vendo na mesma situação, mas o que podia fazer, cada vez que nos encontravamos (aconteceu três ou quatro vezes) acendia um fogo que era quase impossível apagar. E uma dessas vezes, aproveiando a situação que não se encontrava ninguém em minha casa e nem na dela, fomos para o meu quarto. Entre nossas tradicionais carícias e apertos, de pouco em pouco fomos tirando a roupa um do outro e em instantes estávamos pelados. Por sorte ou azar, não tinha nenhuma camisinha, o que nos deixou com um certo temor. Apezar de estar morrendo de tesão, estava com 2 pés atrás de quebrar o cabaço da garota, conheço a família dela desde pivete (um pai ignorante, uma mãe, e dois irmãos mais velhos), e acabei usando a desculpa da camisinha e a chegada de minha irmã para botar um gelo nas coisas. Mas não acabou por aí. Três semanas depois, eu chegava de uma festa mais ou menos 1:30 da manhã. Mau entrei em casa e o telefone tocou. Era a prima dela que estava lá. Falando para que eu descesse que a Kelly precisava falar comigo. Não foi necessário muitas explicações pois havia entendido o recado. Atravessei a rua e encontrei a Kelly na garagem de sua casa. Sem falar nada começamos a nos beijar e acariaciar mutuamente. Neste dia estava muito frio, e nós dois estavamos bem agasalhados (aquele frio que os paulistanos conhecem bem), mas logo o calor de nossos corpos nos fez esquecer o vento gelado, não aguentando mais de tesão, abri o ziper da calça dela e abaixei o jeans de uma só vez, não dando tempo para ela revidar, ao mesmo tempo em que me abaixei e começei a mordiscar a sua linda vulva por cima da calcinha. Ela ja estava toda encharcada e gemendo de tesão. Sem resitar, baixei também a sua calcinha, assim me deparando mais uma vez com uma bela bocetinha de 18 anos de fios castanhos claros e lisos, muito bem aparados. Ajoelhado de frente para Kelly, dava-lhe leves toques com minha lingua em sua bocetinha virgem, que tesão. Sem pressa alguma, ia enfiando a língua cada vez mais fundo em sua vulva, e em volta dos seus lábios vaginais, deixando-a louca e com as pernas estremessidas que mau conseguia manter-se de pé, tive o prazer de sentir ou seu gozo vindo em minha boca, e suguei sem dó todo o mel daquela princesinha. Para nossa surpresa sua prima apareceu, e por sorte ela já havia subido a calça. Quando imaginei que tinha acabado e que ela iria dormir, disse que havia a segunda parte do plano bolado pelas duas ninfetinhas safadas, que era para eu subir para o quarto com a Kelly. Resitei e fiquei pensando no rolo que daria se alguém me pegasse la dentro. Do jeito que era seu pai e seus irmãos ciumentos, eles seriam capazes de me matar. Mas a gatinha ja estava decidida, e me disse: “É pegar ou largar, vc é quem sabe”. Num momento de loucura e tesão, não queria perder aquela oportunidade, e com o cú na mão acabei aceitando. Tirei o sapato para não fazer barulho, e entramos pelo fundo da casa andando na ponta dos pés. Subimos a escada e logo estavamos no seu quarto. Assim que entrei verifiquei se em caso de emergência poderia me esconder debaixo da cama, ou dentro do guarda-roupa, e para aumentar o meu drama, verifiquei que na sua janela havia grades. Como ja estava lá sabia que não havia escapatória, então tive que relachar para poder dar o melhor trato possível na ninfetinha virgem, e o mais engraçado era que a sua prima estava durmindo na cama ao lado. Sem perder tempo, tiramos nossas roupas e nos deitamos. Ah, como era lindo ver aquele corpinho todo para mim, sendo assim comecei a chupar levemente os seus seios, ja sentindo seus mamilos apontando para o céu, dava voltas com a língua em torno da rodela rosa, e com a mão ia apertando levemente os seus biquinhos. Fui descendo o banho de língua pela sua barriga, até chegar na sua virília, e continuei descendo até aqueles lindos pézinhos (nº 34), fui subindo novamente, assim explorando cada parte de suas belas pernas, até chegar ao meu objetivo. Mais uma vez tinha aquela bucetinha sendo dominada e chupada (agora vorazmente) pela minha boca e língua, ao mesmo tempo que ia dando toquinhos no seu cuzinho. Virei meu corpo 180º e ela sem perder tempo, pegou no meu pau e colocou na boca, parecia uma exímia profissional chupando-o, desconfiei que ela ja havia feito isso antes. Kelly chupava da cabeça a base, colocando-o inteiro na boca, quase gozei diante daquele lindo 69, mas tive que me conter um pouco mais. Nos posicionamos na tradicional posição papai e mamãe e comecei a fazer a penetração, ia roçando a cabeça do meu pau por toda sua bocetinha, até mirar no ponto exato, e começar a forçar a entrada. Kelly reclamou de dor (não era a toa, pois a cabeça do meu pau é bem grande) e pediu para eu parar, contrariado, mas não queria forçar a barra e nem machucar a gatinha, parei e reiniciei outra seção de carícias. Fizemos outras duas tentativas, e ela reclamava de muita dor. Desolado, deitei-me ao seu lado e começamos a conversar sobre os supostos medos e até onde já havíamos chegado. Depois de nossa converça e eu ja pouco esperançoso, fui surpreendido. Kelly iniciou um banho de língua por todo o meu corpo e mais uma vez, com extrema maestria, abocanhou o meu pau, sugando-o como se fosse um sorvete, enterrou meu pau inteiro na boca, enquanto dava voltas por ele com a língua, mais uma vez o nosso tesão foi a mil. Ela sentindo que meu pau estava duro como uma rocha, subiu em cima de mim, ajeitou o meu pau na entrada da gruta, e desceu de uma só vez. Huuuuuuuu…. Senti a cabeça do meu pênis sendo esfolada… mas ao calor de sua grutinha que havia me engolido por completo, me fez senti um prazer imcomparável, e assim, Kelly começou a rebolar sobre o meu pau, que tesão sentir quela bocetinha apertada e quente rebolando… subindo…. descendo…. e antes que eu gozasse, mudamos de posição, agora comigo fazendo movimentos de vai e vem, deixando-a em posição de “frango assado”. Colocava meu pau inteiro e voltava até ver a cabeça quase saindo da sua gruta enxarcada. Ficamos assim por um bom tempo, e resolvi coloca-la na posição de preferência nacional, de quatro. Quando ví aquele rabo virado para mim, decidi que seria daquela maneira que gozaríamos juntos, e dando estocadas mais fortes, chegamos a um maravilhoso orgasmo, com ela caindo quase desfalecida de prazer (e acho que um pouco ardida), fiquei observando o meu líquido escorrendo pela sua bocetinha (havia esquecido a camisinha no bolso). Para minha grande surpresa, vi que sua prima nos observava desde o início, e estava se masturbando enquanto transávamos. Perguntei se ela estava muito excitada, ela disse que sim e perguntei se queria entrar na brincadeira, ela disse que apesar do tesão estava mestruada, e que não seria uma boa idéia. Olhando Kelly dormir como uma criança que brincou o dia inteiro e com a bundinha virada para o céu, senti uma vontade irresistível de comer o seu cuzinho, mas como ela estava num sono profundo preferi deixá-la dormindo, e saltei de uma cama para a cama ao lado. A prima da Kelly ficou estarrecida com o meu ato, e para que ela não abrisse a boca fui lhe beijando até que ela corresponde-se. Foi mais fácil do que eu imaginava, a garota estava morrendo de tesão, e não foi a minha surpresa ao perceber que ela estava de camiseta e mais nada por baixo da coberta. Comecei a bulinar o seu corpo, e ela começou a falar que estava mestruada e qua não me daria. Sem falar nada, virei o corpo dela de bruços e comecei a tocar o seu cuzinho (que rabo enorme que esta garota tinha), e sem embaçar muito, peguei um condicionador e melei o cú dela, coloquei a camisinha e também melei o meu pau já protejido. Encostei a cabeça do meu pau na estrada do cuzinho dela, e a única coisa que ela me disse foi: “Vai devagar”. “Aaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii….” foi o grito abafado pela minha mão da prima da Kelly tentando escapar do meu pau, mas não teve jeito, eu estava decidido e segurei a garota com firmeza. Enterrei o resto do meu pau em seu rabo, e mais uma vez tive que abafar um pequeno gritinho de dor, que foi se transformando em afadas de tesão, logo a garota começou a rebolar com o meu pau socado até o talo. Com ela de quatro, iniciei lentos movimentos de vai-e-vem enquanto masturbava a sua chotinha. Como era gostoso sentir meu pau sendo apertado por aquele cuzinho quente e sedento. Logo estava dando frenéticas estocadas, e não demorou muito para que gozassemos…. Que orgasmo fantástico, enchi a camisinha de porra…. Para que Kelly não percebesse a minha ausência, voltei para a cama dela, que acabou acordando quando eu deitei… ela olhou para mim e perguntou pq eu estava tão suado, na hora fiquei vermelho e sem saber o que falar, fui beijando sua boca de forma sedenta, e não deu outra, em poucos minutos eu ja estava recuperado e morrendo de tesão. Do jeito que estavamos, penetrei aquela ninfetinha mais uma vez, e assim cheguei ao meu terceiro (e o segundo de Kelly) maravilhoso orgasmo. Ja eram quase 4 da manhã, nos vestimos e saí da casa dela na ponta dos pés, para minha sorte apenas tive que atravessar a rua para estar em minha casa. Tomei um banho e me deitei, comecei a relembrar esta louca aventura, fiquei com tanto tesão que tive que me masturbar. Depois desta transa, fiquei com tesão de transas perigosas, e tenho uma outra em que transei com a garota numa sala e a mãe dela na sala ao lado no tel, mas esta fica para uma outra vez….

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Bom Bom era Tudo de Bom

       Bom-Bom era uma linda(e gostosa) empregada. Mulata, seios médios e uma bunda digna das mulatas das Escolas de Samba. E tudo aconteceu assim:
"Um dia ao chegar em casa, me deparei com "aquilo tudo"ali na cozinha e descobri que era a nova empregada. Passei a observar aquela musa e ví que minha chance estava chegando, pois ficaria cuidando da casa durante um mês inteiro. Para facilitar o trabalho, minha mãe pediu que ela passasse a dormir ali em casa, pois não teria que se preocupar com os horários dos ônibus e a moça era solteira mesmo, uniria o útil ao agradável.
   No primeiro dia que estava sozinho com Bom Bom, ela demorou a levantar e preocupado fui à seu quarto, ao chegar, minha deusa estava dormindo com uma lingerie vermelha minúscula que mal cobria sua generosa bunda, me ajoelhei ao lad da cama e começei a chamar por ela que parecia estar bem cansada.Vendo que não tinha resistência começei a apalpar aquele bundão gostoso e fui ficando cada vez mais excitado. agora eu ia introduzindo aos poucos o dedo naquele buraquinho anal e com um pouco de saliva fui lubrificando o local, ela nem se mexia, então meti a lingua e deixei bem melado aquele delicioso cuzinho, foi quando ela acordou e sorrindo disse que esperava por isso desde que começou a trabalhar em minha casa. Tirei o pau para fora e Bom bom começou a chupar como um profissional, sabia muito aquela mulher, quase gozei naquela boquinha carnuda, mas o que eu queria era comer aquela bunda, pedi e ela gentilmente se colocou de quatro, aí delirei metendo naquela bunda, ela rebolava tanto, com tanta suavidade e desejo que acabei gozando muito. essa foi a primeira vez que comi Bom bom, afinal de contas ela estava ali à minha inteira disposição, ficamos transando todos os dias e explorei todos os buracos daquele corpo, ela foi inesquecivel para mim.

     







sexta-feira, 5 de abril de 2013

Comi a Cliente Gostosa e Casada


Tenho 28 anos e sou técnico em eletricidade . Sou moreno, porte grande , e modéstia à parte, considero-me bem apessoado. Recentemente fui contratado por um casal para reformar o home theater de um apartamento no Alto de Pinheiros. Já conhecia a dona da casa, Cinthia, da época em que ainda era solteira, pois havia feito um serviço na casa de seus pais.
Fui num sábado me reunir com ela e seu marido, Fred, para conhecer a obra e propor um orçamento. Cinthia estava ainda mais gostosa do que quando a conhecera 6 anos antes: agora com 32 anos de idade, tinha ganho mais corpo. Pele branca como o leite, cabelos castanhos, puxando para o ruivo e na altura dos ombros, olhos verdes, peitos grandes e duros e uma bunda de fechar o trânsito. O tamanho era, em minha opinião, o ideal para meter – 1,55 m, com peso proporcional. Nesta reunião ela vestia legging e top, pois tinha voltado da academia, e tive que disfarçar minha ereção quando percebi a xoxota gordinha sob o tecido de lycra. O marido dela, como não poderia ser diferente, era um mala: típico empresário que viveu crendo que era o tal e portanto poderia comprar a todos. Felizmente, como ele viajava muito a trabalho, Cinthia ficou encarregada de acertar todas as questões da reforma comigo.
Na semana seguinte, começaríamos as tarefas. Cinthia me ligou no domingo à noite dizendo que poderíamos ir juntos à casa de materiais de construção. Como ela não dirigia e eu não tenho carro, ela deixaria a chave do carro do marido na portaria do prédio, pois ele estava fora da cidade. Eu deveria pegar o carro e buscá-la num endereço próximo, e então iríamos às compras. Passei às 10:00 no condomínio e, enquanto o garagista ia buscar o carro, conversei por uns 10 minutos com o porteiro, um nordestino gente boa chamado seu Francisco:
- Vai levar a dona Cinthia para passear? Hoje ela tá foda de tão gostosa...
- Nossa, seu Francisco, ela é boa mesmo. Será que pula a cerca?
- Isso eu não sei, nunca soube nada dela. Tem duas patroa daqui do prédio que são dadeira que só, eu já passei a vara, guardo até as calcinha delas como troféu. Mas a dona Cinthia nunca deu trela e eu que não sou doido de arriscar sem ter certeza, e pegar uma justa causa...
- Pois então, seu Francisco, se eu conseguir alguma coisa, trago a calcinha dela prá aumentar tua coleção!
- Há! Duvido, . Tu é boa pinta, mas acho que ali não rola não! Aposto uma grade de Brahma!
Ri da safadeza do tiozinho quando o Fusion novinho chegou. Tesão de carro, ainda com cheiro de fábrica. “Esse bosta do Fred é sortudo mesmo, com uma máquina destas na garagem e outra na cama!”.
Segui para o endereço combinado e me surpreendi que se tratava de um salão de depilação! “Que safada, deve estar se embelezando para mim!”. Mandei um SMS e ela logo apareceu na porta, com um vestido leve de alcinha até metade das coxas. A silhueta estava bem desenhada pelo tecido, que por ser fininho e colado, permitia a visão do contorno da calcinha.
- Desculpe fazê-lo vir aqui, mas eles são super lotados neste salão, e só tinha esse horário!
- Imagina, dona Cinthia, o importante é você ficar bonita!
Ela corou levemente e nos dirigimos à loja de material elétrico de um camarada, próximo ao Largo de Pinheiros. Paramos o carro numa duas quadras da loja e fomos conversando até o estabelecimento. Marmanjo que passava do lado chegava a andar de costas só para contemplar aquela delícia: um par de coxas brancas torneadas, uma bunda esculpida e peitos que desafiavam princípios básicos da física – o seu Francisco não tinha errado no diagnóstico, ela estava de matar!
Entreguei a lista para o atendente e perguntei pelo meu amigo, o dono da loja. Paulão apareceu em seguida, todo galanteador pra cima da Cinthia.
- Bom dia, senhorita, seja benvinda ao meu estabelecimento. Aceita uma água, um refresco?
O puto falava segurando a mãozinha delicada da Cinthia. Ri das investidas do meu amigo, que sabia por conhecimento de causa que nessa conversa mole, muita dondoca casada ia às compras e terminava pagando a conta com a xoxota ou o cuzinho.
Depois de uns 30 minutos, todos os componentes estavam separados e encaixotados. Na hora de pagar, fomos surpreendidos por um trovão ensurdecedor. Botei a cabeça para fora da loja e vi que o céu estava preto, e pingos grossos já caíam ao chão. Após cinco minutos, a cidade já estava sob um verdadeiro dilúvio típico do final do verão paulista. Sugeri que corrêssemos ao carro, pois havia perigo de inundação. Os dois quarteirões foram suficientes para que nós ficássemos ensopados. Saímos em direção ao apartamento dela e terminamos pegando a Marginal Pinheiros parada por causa da chuva, que castigava a cidade impiedosamente. Graças ao sistema de drenagem podre de São Paulo, em menos de 20 minutos a rua ia se tornando a extensão do rio. Cinthia olhava angustiada, e segurou forte no meu braço quando a passagem de um caminhão fez uma onda que sacudiu um Uninho que estava na frente.
- Dona Cinthia, temos que levar esse carro para um lugar alto, pois a coisa vai piorar...
- Concordo, você acha que consegue subir no canteiro, como estão fazendo aqueles carros?
- Acho que o Fusion é baixo, vai pegar na lataria... tenho uma ideia melhor.
Falando isso, embiquei o carro na entrada de um motel perto da ponte Euzébio Matoso.
- Não posso entrar num motel com você, está louco?
- Calma, é só para esperar a chuva passar!
Ela estava ainda mais pálida quando entregou o RG para a tia da guarita. Quem visse aquele casal tão diferente, ela toda empetecada e com aliança na mão esquerda e eu despojadão, com calça jeans e camiseta Hering, ia supor tratar-se de um casal de amantes fugindo para uma trepadinha vespertina básica. Pedi um quarto normal e fomos para lá, eu pensando que a tempestade só podia ser explicada por um alinhamento perfeito entre Júpiter e Vênus...
Guardei o carro na garagem e subimos ao quarto. Meu pau endureceu de novo quando percebi o vestidinho colado e transparente pela água, com um lado da calcinha enfiado na bundinha...
Sugeri que ela tomasse uma ducha, pois estava tremendo (de medo do que estava por vir, talvez...). Ela hesitou um pouco, mas cedeu e foi. Como não havia uma porta no banheiro, eu conseguia vê-la se banhar por de um espelho na parede. Meu pau já estava latejando. Pude ver também quando ela saiu, vestiu a calcinha, pendurou o vestido molhado e o soutien e se enrolou na toalha. Fui tomar uma chuveirada em seguida. Fiz questão de deixar o bicho já bem durango, pois não estava disposto a sair daquele quarto sem traçar aquela madame. Saí enrolado na toalha, e ela estava sentada na cama, tentando ligar para o marido no celular.
- Não consigo falar com ele, dá caixa postal direto...
Aproximei-me dela e, subitamente, deixei a toalha cair, revelando meu cacete  na altura do rosto dela.
- Por favor, pare com isso! Cubra-se! Sou casada, só subi aqui por causa dessa enchente!
- Cinthia, eu acho que as coisas não acontecem por acaso... somos adultos e temos a obrigação de aproveitar essa oportunidade única que nos foi oferecida.
- Mas eu amo meu marido, e não quero trair ele, nunca fiz isso!
- Isso não tem nada a ver com amor. Fique sossegada que eu não vou fazer nada contra a sua vontade, não sou nenhum bandido. Só peço que segure nele um pouco e então vamos embora.
Peguei sua mãozinha e coloquei no meu pau, que parecia ainda maior  junto daquela delicadeza. Ela não conseguia nem fechar a circunferência da jeba! Ela tentou puxar mas eu segurei firme, e logo comecei a fazer movimentos de vai e vem com a sua mão. O bicho foi ficando maior e mais duro, cheio de veias salientes, e com a cabeçona inchada, do tamanho de um pêssego. Ela parecia hipnotizada com o tamanho pau, tanto que não percebeu que parte da toalha tinha caído, deixando a mostra seu peito direito. E que peito! Branquinho, duro e com um bico rosa. Livrei de vez aquela escultura de marfim e comecei a mamar como um recém-nascido esfomeado. Que delícia! Uma pessoa poderia gozar só de chupar aqueles peitões. Depois de deixá-los bem vermelhos e com várias marcas de chupão, resolvi prosseguir para coisas mais sérias. Ela já me punhetava espontaneamente. Segurei-a pela nuca e puxei seu rosto em direção à piroca:
- Olha como você deixou ele, agora bota na boca e chupa, sua gostosa!
Ela encostou os lábios de leve, como se fosse dar um beijo na cabeça da pica. Empurrei o bicho boca adentro e ela quase engasgou, mas em pouco tempo assumiu a chupeta com maestria. Aqueles lábios carnudos e molhados pareciam uma bucetinha sendo fodida. Tive que me controlar para não gozar.
Estava na hora de retribuir a chupada. Deitei a gostosa de barriguinha para cima e vi uma pequena mancha na parte inferior da calcinha, formada pelos sucos que escorriam da xoxota. “Gostou de mamar, né putinha?” – pensei. Tirei sua calcinha devagar, para me deparar um pequeno retângulo de pelos castanhos acima dos lábios vaginais. A xoxotinha tinha uma entrada bem justinha, com pequenos lábios róseos e estava pingando de tão lubrificada. O perfume era tão inebriante quanto a visão. Chupei aquela buceta como nunca tinha feito em toda minha vida, socando minha língua bem no fundo. Botei o dedo indicador na vagina e pude perceber o quanto era apertada, parecia virgem! Ela se contorcia, gemia, apertava o próprio seio com a mão e mordia a fronha do travesseiro. E assim foi intensificando os gemidos até gozar.
Depois de um belo trato naquela bucetinha, eu estava pronto para passar-lhe a vara. Puxei-a para a beira da cama e levantei suas pernas, apoiando-as nos meus ombros. Encostei a chapeleta na entradinha e fiquei assim brincando, torturando a madame. Melava a cabeça da pica no seu gozo, deixando-a reluzente. Enfiava então um pouco na portinha e puxava para fora. Ela rebolava para frente e para traz, e cada vez que eu enfiava mais fundo ela suspirava mais alto.
- Pede, safada! Pede para eu te comer!
- Ahn?
- Você entendeu! Quer que eu coma sua xoxota, não quer? Então diga!
- Sim... venha, por favor! Venha logo!
Foi o suficiente para eu enfiar a mangueira quase toda. Só não entrou tudo de uma vez porque Cinthia puxou o quadril para traz:
- Calma, tudo não, machuca!
- Já levou uma rola destas, princesa? A do chifrudo é assim?
Ela virava o rosto de lado, evitando me olhar enquanto eu me esbaldava.
- Responde, puta! Ele tem um pau que nem o meu?
- Não, é menor...
- Então se prepara para ser comida por um macho pela primeira vez!
Naquela posição quem controlava a metida era eu. Conforme a xoxota foi se acostumando com o volume, eu metia mais e mais. Acelerei os movimentos, enquanto seus peitos balançavam no ritmo da trepada. Não ia conseguir segurar muito mais, e falei:
- Tesão, vou te encher o útero de porra!
- Por favor, não faça isso, não estou tomando pílula e posso engravidar!
- Não quer que eu te faça um nenezinho lindo? Deixa eu te embuchar, neném!
- Pelo amor de Deus, tira antes!
- Mas eu não vou desperdiçar todo esse leitinho... viu o tamanho dos meus ovos? Tão cheios de leite! Se não for gozar dentro, quero ver você beber tudinho!
Tirei rapidamente o pau e coloquei-a sentada na cama. Mandei ela abrir bem a boca e colocar a língua para fora, onde apoiei a chapeleta. Bati uma punhetinha de leve, bem rápida, pois o gozo já tava chegando. Ela me fitava, apreensiva, com aqueles olhões, quando o primeiro jato saiu, branco e viscoso, batendo no céu da boca e escorrendo garganta adentro. O segundo jato, mais forte ainda, bateu direto na goela, e ela quase engasgou, chegando a ficar com os olhinhos cheios de lágrimas. Mais uns três jatos se seguiram, enchendo-lhe a boca de porra.
- Bebe tudo! Não quero ver uma gota fora da boquinha! – eu dizia isso recolhendo com os dedos um tanto de porra que tinha caído no peito e levando até a sua boca.
Deitamos na cama, exaustos, ela apoiada no meu peito e ainda com cara de nojinho por ter engolido tanto esperma. Fiquei contemplando nossas peles e a delicadeza de seu corpo com a brutalidade do meu.
Fomos tomar uma ducha juntos, pois ela estava toda esporrada e não poderia ir embora daquele jeito. No chuveiro começou a putaria de novo. Ensaboando aqueles peitões e aquela xoxota meu pau renasceu rapidinho. Ela também estava excitada, pois tinha gozado na minha boca mas não na hora da trepada, e estava bem acesa. Saímos do chuveiro e continuamos os amassos no banheiro. Eu a encoxava por trás, e disse em seu ouvido:
- Linda, sua pombinha tá larguinha depois da xuxada, e eu acabei de gozar. Se for meter lá vou demorar 1 hora para gozar de novo, e acho que não temos tempo para isso.
- Ah, então vamos embora, a gente se encontra outro dia...
- Não, tenho uma ideia melhor. Vou botar no teu botãozinho que é mais apertado...
- Mas vai doer, sou virgem aí...
- Jura que se guardou para mim? – dizia mordendo sua orelha – não se preocupe que vou só botar um pedacinho, não vai machucar. Se doer eu tiro.
Já massageava o anelzinho, cheio de preguinhas, rosinha e raspadinho, com um creme hidratante que estava na pia. Os dedos entravam com dificuldade, mas fui tocando uma siririca junto e ela foi relaxando. Pedi que ela apoiasse as mãos na parede e afastasse um pouco os joelhos, enquanto eu me posicionava por trás. Neste momento, meu celular que estava na calça pendurada do lado começou a tocar. Olhei e era o corno que me ligava. Fiz questão de atender:
- Dr. Fred, tudo bom? Que é que manda?
- Tô tentando falar com a Cinthia há um tempão, mas o celular chama e ela não atende. Cheguei aqui em Aracaju e tinha umas dez chamadas dela não atendidas. Você já deixou ela em casa?
- Então doutor, caiu o maior pé d’água aqui em São Paulo, a Marginal Pinheiros virou um rio. Para fugir da enchente entramos aqui no Shopping Eldorado para esperar a chuva passar. Aí aproveitamos para fazer uma boquinha. Dona Cinthia tomou um leite batido e eu vou comer uma rosquinha agora...
Cinthia me olhava absorta, mal conseguia respirar para não levantar suspeitas que tinha passado a tarde dando para um empregado e estava prestes a levar no rabinho um cacete gigantesco.
- Ah, ok. Por favor, espere a chuva passar antes de sair, o carro é novo e a última coisa que eu quero é carro de enchente. Depois peça para a Cinthia me ligar. E aí no Eldorado tem o Outback, eles têm uma bisteca ótima, peça por minha conta.
- Obrigado, doutor, mas hoje estou mais para carne branca – disse, afastando as nádegas com as mãos e expondo o buraquinho convidativo da mulher dele, pronto para ser deflorado.
- Ok, e fique tranquilo que eu vou pagar seu dia por ter perdido a tarde inteira aí.
- Já pagou, otário – disse eu após desligar e forçar a chapeleta no anelzinho virgem.
Cinthia teimava em contrair o cuzinho quando eu empurrava. Fui massageando seu grelo com uma mão e apertava um peito com a outra, enquanto a anaconda parecia criar vida própria e achar seu caminho estreito entre aquelas duas bolas duras e perfeitas de carne branca. Cinco minutos e o bicho já estava aninhado em território inexplorado. Agora era hora de chacoalhar até babar. Segurei seus braços para traz, metendo até os ovos baterem na xoxota. Pedi que ela ajudasse, segurando uma nádega com cada mão. Assim, minhas mãos ficavam livres para dar umas palmadas naquelas coxas brancas e beliscar aqueles peitões. Vez por outra ela dava um gritinho, que eu já não sabia mais se de dor ou de puro prazer.
Levei-a para a cama de novo e deitamos de lado, ela de costas para mim, suspendendo uma perna no ar. O grosso já entrou mais fácil no cuzinho, e ela já não reclamava mais, Enfiei dois dedos na xotinha e assim ela gozou pela segunda vez, com múltiplos espasmos do seu ânus comprimindo meu cacete. Só aí gozei de novo, entupindo seu reto de porra.
Enquanto nos vestíamos, peguei sua calcinha e disse que ia levar como lembrança. Ela protestou, mas meu argumento foi irrefutável:
- Neném, para quem acordou como esposa-exemplo e vai dormir com a xoxota fodida, o cuzinho alargado e o estômago cheio de porra, ir para casa sem calcinha é refresco!
Nem ouvi o que tinha para dizer. Saímos e a chuva já tinha passado. Passei para ela a maquininha do cartão de crédito na portaria do motel, pois nem fodendo que eu ia morrer com quase 300 pilas por uma trepadinha.
Encostei o carro e orientei o garagista sobre o material que estava no porta-malas. Ela saiu andando torta, com dificuldade por causa do cuzinho e a xoxotinha esfolados, e dos litros de porra que provavelmente escorriam pelas pernas. Fui para a portaria feliz, e ao encontrar o Seu Francisco, estendi minha mão entregando-lhe um pequeno volume e disse:
- Meu chapa, xoxota e cuzinho em uma tarde. E ainda bebeu porra. Tá aqui teu presente, depois vamos tomar aquelas Brahmas que te conto com detalhes.
Afastei-me ao som das gargalhadas do tiozinho, que esbravejava: “ feladaputa!  feladaputa!”.